Na última quarta-feira (06), um “lançamento” de uma marca de roupas de elite começou a repercutir nas redes sociais. Devido aos fatos destacados, o colunista Leo Dias afirma ter recebido dezenas de mensagens questionando sobre a atitude da Osklen, marca que está vendendo atualmente um kit com duas máscaras de proteção reutilizáveis por R$147,00.

Para deixar a situação ainda pior, a marca está vendendo essas máscaras como parte de uma campanha, Respect & Breath (respeitar e respirar, em tradução livre). Para cada kit vendido até o final desse mês, a Osklen pretende doar uma cesta básica para o Jacarezinho, comunidade localizada na Zona Norte do Rio de Janeiro.

O valor da cesta básica, de acordo com Leo Dias, será de R$ 70,00.

De acordo com informações do jornalista citado, a marca em questão foi fundada por Oskar Metsavaht e pode ser considerada um bom retrato da elite do Rio de Janeiro, visto que está ligada à moda praia e conta com itens como regatas e chinelos. Entretanto, vende todos eles por um preço que pode ser considerado exagerado.

Explicando o seu ponto de vista sobre essa questão, o jornalista destacou que atualmente uma máscara de proteção está sendo vendida por costureiras por valores que oscilam entre R$ 5 e R$ 10. Além disso, a cesta básica custa R$ 60, e uma cesta um pouco mais cara, contendo alguns itens que podem ser considerados “de luxo”, custa em média R$ 100.

Assim, para Leo Dias, a Osklen se referir ao seu lançamento como uma “campanha solidária” e tentar vender máscaras, durante uma pandemia, por R$ 147,00 é algo incoerente e, portanto, as críticas recebidas após o lançamento da Respect & Breath se justificam.

Osklen justifica o preço

Segundo Leo Dias, se as críticas já estavam ruins quando a marca colocou o site no ar, a situação se tornou ainda pior para a Osklen quando ela tentou dar uma justificativa para o preço do item em questão.

De acordo com a marca, as máscaras foram feitas por “bravas costureiras” em pleno período de isolamento social.

Ainda durante um comunicado sobre o assunto em questão, a Osklen chegou a afirmar que não abriria os seus números, mas que devido À curiosidade das pessoas sobre o valor das máscaras, ela explicaria como tudo estava funcionando.

Na ocasião, a marca informou que somente 7% do lucro ficaria pela empresa, o que seria equivalente à quantia de R$ 11.

O comunicado em questão deixava claro, portanto, que na verdade o consumidor estaria pagando pelas cestas básicas e a “campanha” não era nenhum tipo de ação solidária por parte da marca.

Posteriormente, tanto a campanha quanto a justificativa foram retiradas do site da Osklen, que ainda tomou a medida de bloquear os comentários em sua conta do Instagram para impedir que os internautas continuassem fazendo críticas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!