A vacina contra o coronavírus é vista hoje como a única esperança de retorno à vida normal. Sair com segurança, sem todos os atuais protocolos de segurança e uso de máscaras, é o grande desejo mundial.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou no início do mês que 17 vacinas estão em fase de testes clínicos. Esta fase envolve testagem em humanos para demonstrar a segurança da vacinação.

Vacina de Oxford demonstra segurança

Resultados publicados no dia 20 do mês de julho na revista The Lancet, após pressão por parte de investidores do próprio laboratório AstraZeneca, demonstraram que o organismo foi capaz de gerar imunidade através de anticorpos e células T, que funcionam como um plus na proteção.

Após os promissores resultados da vacina de Oxford, as ações da empresa subiram e fizeram com que a AstraZeneca ganhasse 7,4 bilhões de dólares em valor de mercado.

Vale lembrar que, durante a Fase 2 no Reino Unido, cerca de 500 voluntários já receberam a dose e relataram reações leves, como dor de cabeça e no local da aplicação.

Testes no Brasil

Por aqui teve início a aplicação nos primeiros voluntários, em um grupo formado por cerca de 2.000 profissionais que atuam na linha de frente contra a Covid-19. Segundo cientistas, essa terceira fase de estudo é essencial para verificar os resultados perante grupos étnicos mais diversos.

Ministério da Saúde deve produzir vacina no BR

Segundo o Ministério da Saúde, foi firmada uma carta-compromisso para produção das doses no Brasil e transferência da tecnologia para a Fiocruz, no RJ.

Com isso estima-se que, caso os resultados sejam mesmo satisfatórios, ainda em dezembro sejam entregues 30 milhões de doses.

A distribuição será feita pela SUS que, em meio à pandemia, demonstra ainda mais seu valor e importância no Brasil

Cada 3 testes PT-PCR, 1 é positivo em SP

O dado alarmante foi divulgado ontem na coletiva de imprensa do Governo do Estado de São Paulo que fornece atualizações sobre o enfrentamento da crise no estado.

O resultado demonstra o quanto é urgente a descoberta de uma vacina para que haja, de fato, segurança na retomada da atividade econômica.

Cientistas adotam cautela

Mesmo com todos os avanços, em tão curto espaço de tempo, num esforço sem precedentes a nível mundial pela vacina, os cientistas preferem não cravar uma data para o alcance desse que representa o maior objetivo mundial.

Segundo Soumya Swaminathan, cientista membro da OMS, revelou em recente entrevista que existe a preocupação de acelerar as pesquisas com toda a segurança, sem perder em rigor científico.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!