Uma das novidades do catálogo da Netflix é a chegada do filme "Shaft", após um desempenho nada convincente nos cinemas norte-americanos, o longa-metragem ganhou distribuição mundial pela gigante do streaming.

A produção é uma continuação do "Shaft"de 2000, em que Samuel L. Jackson revisita o universo icônico do movimento americano denominado Blackspoitation.

Na produção do ano 2000, dirigida pelo falecido John Singleton, Shaft abandona a polícia do Harlem ao não concordar como funciona a Justiça e torna-se detetive particular.

Richard Roundtree, o Shaft original dos filmes da década de 1970, faz uma participação especial como tio do Shaft vivido por Jackson, o que na produção de 2019, é revelado que na verdade eles são pai e filho.

A trama

O longa-metragem começa mostrando os fatos ocorridos em 1989 que fizeram com que Shaft tivesse que se afastar de sua esposa (Regina Hall) e seu filho John 'JJ' Shaft III, o jovem cresceu acreditando que seu pai o abandonara.

Aos 25 anos, JJ após a morte suspeita de Karim, seu melhor amigo (Avan Jogia), procura ajuda de seu pai para desvendar o caso.

Após o reencontro com o pai, JJ forma uma dupla improvável com Shaft, enquanto este é um detetive particular durão que nem sempre age de acordo com as regras, o primeiro é um analista de dados do F.B.I. que quer fazer tudo dentro da lei.

Não fica difícil para o espectador perceber que o que virá a partir deste encontro será a velha fórmula de juntar dois protagonistas que são exatamente um o oposto do outro, e que terão de aprender a conviver um com o outro e ambos terão que rever seus conceitos.

Neste segundo Shaft, Samuel L. Jackson divide o protagonismo com Jess T. Usher, ambos estão ótimos em seus papéis e rendem boas piadas a parceria entre eles, em que se faz presente o conflito de gerações.

O roteiro do filme ficou por conta de Kenya Barris e Alex Barnow. Não teria nenhum problema se o filme seguisse esta fórmula tão utilizada e que poderia ter rendido além de boas piadas, até mesmo questionamentos mais profundos.

Porém, ao fazer com que o personagem de Jess T. Usher não fosse exatamente o que aparenta ser, o clichê que antes era aceitável, passa a ser inverossímil.

Tim Story

O filme é dirigido por Tim Story, que não se pode dizer que seja um dos diretores mais adorados de Hollywood, muito por conta de ter sido ele o diretor dos dois filmes da Fox sobre o grupo de super-heróis da Marvel, 'Quarteto Fantástico'.

O cineasta antes das adaptações para o Cinema dos heróis Marve, lançadas em 2005 e 2007, em 2004 ele dirigiu outro fiasco de público e crítica, o filme "Taxi".

Ele também encabeça os filmes da saga "Policial em Apuros", que já tem um terceiro capítulo em pré-produção.

A partir do momento em que o espectador desistir de achar que irá ver um filme de ação e aceitar que "Shaft" tende mais para a comédia, com situações e alguns personagens com um desenvolvimento nada verossímil, o filme até pode ser considerado agradável.

Não perca a nossa página no Facebook!