Uma mãe britânica tem filmado os momentos em que amamenta a sua filha de quatro anos. Porém, ela foi obrigada a se defender quando recebem uma série de insultos de internautas, que disseram que ela estava explorando a criança.

A relação entre Sophie e Shaye

Todos os dias, Sophie Rose acorda e amamenta sua filha, Shaye. Ela amamenta a pequena quando esta está cansada, chateada, precisa de algum carinho ou simplesmente quando ela exige.

Uma rotina cansativa, mas é a rotina desta mãe e filha. Todos consideram isso normal, afinal de contas, grande parte das mães amamentam suas filhas e seus filhos. Porém, a visão dos internautas começa a mudar quando a idade de Shaye é revelada: a menina já tem quatro anos e ainda é amamentada no seio de Sophie, que tem 40 anos.

Buscando acabar com o preconceito das pessoas sobre esta situação, Sophie passou a postar vídeos amamentando a sua filha. Esta mãe conta que seu objetivo é fazer com que ela normatize a Amamentação prolongada e que outras mães sintam-se confortáveis ao amamentar as crianças mais velhas, sem receberem comentários negativos.

Sophie explica que, para a sua família, isso é algo totalmente normal e chama seu leite como "um suplemento de vitaminas e minerais perfeitamente produzido". Ela ainda defende que as crianças devem ser amamentadas até os oito anos, já que ela considera a amamentação prolongada algo importante: "Bem como o valor nutricional do leite materno, você também está com o seu filho de forma física, mostrando que está lá para ele. É um conforto e uma conexão emocional", conta sua opinião.

Os melhores vídeos do dia

Seu canal do YouTube já teve mais de oito milhões de visualizações, sempre com vídeos que tem como objetivo tornar a amamentação de crianças mais velhas algo corriqueiro. Sophie acredita que quando ela se filma amamentando, ela passa a mensagem para outras mães de que está tudo bem.

A britânica ainda conta que, além da amamentação prolongada, Shaye ainda é educada em casa e dorme na cama junto com a mãe e o atual parceiro. Sophie explica que ela pratica a paternidade do apego: "A paternidade do apego consiste em tratar uma criança com dignidade e respeito e satisfazer plenamente suas necessidades emocionais", conta.

E tem mais: Shaye já presenciou sua mãe tendo relações sexuais com seu pai. Em um vídeo, Sophie conta que quando ela estava com o pai de Shaye e Shaye era mais nova, mesmo que ela entrasse no quarto e os dois estivessem fazendo sexo, eles não interrompiam por causa da presença da menina. Sophie ainda falou que já amamentou a filha enquanto transava com seu marido. Porém, agora ela está com outro parceiro e ele é mais velho, então ela geralmente interrompe a relação quando a filha chega.

"Somos muito naturais sobre sexo. Eu não acredito que ele precisa ser escondido das crianças. Eu não vou transmiti-lo para ele, mas eu não vou fingir que não existe", defende sua atitude.

Ela diz que naturalmente as crianças perdem a capacidade de serem amamentadas quando chegam aos sete ou oito anos de idade, por isto ela não tem medo de extrapolar esta fase: "Não tenho medo de que eu esteja alimentando Shaye aos dezoito anos quando estiver na universidade".

Muitos criticam a atitude de Sophie, dizendo que neste caso a amamentação é sexualidade, mas ela defende uma ideia oposta: "Temos sido condicionados na cultura ocidental para ver seios como uma parte sexual do corpo, então você vê isso como sexual quando realmente não é sexual intimidade em tudo. Eu não sinto prazer sexual quando Shaye se alimenta, é uma sensação agradável, mas não um ato sexual", defende.

Quando criticada, ela explica que lida com a crítica lembrando dos motivos que a levaram a amamentar Shaye.

Ela também tem apoio de alguns internautas, que dizem que ela encoraja outras mulheres a amamentar.

"Não tenho nada além de admiração por esta mulher", escreveu uma mulher no Facebook.