Em uma entrevista recente à revista Veja, o Padre Marcelo Rossi, um dos ícones da Renovação Carismática, movimento da Igreja Católica, falou sobre alguns dos desafios que enfrentou nos últimos anos, inclusive boicote por membros da Igreja Católica e problemas de saúde como depressão e anorexia. Na ocasião, o sacerdote admitiu que, antes de ter sofrido com o problema, achava que depressão era simplesmente frescura.

Entre os problemas de saúde enfrentados por padre Marcelo, ele mencionou a discopatia degenerativa, um problema da coluna vertebral do qual há mais de dois milhões de casos no país. O aparecimento do mal é mais comum entre homens entre os 40 e 55 anos de idade, mas pode atacar membros de qualquer um dos gêneros e pessoas mais jovens.

Segundo Edson Pudles, ortopedista que preside a Sociedade Brasileira de Coluna, o crescimento ósseo das pessoas se prolonga até por volta dos 17 anos de idade e, depois que ele cessa, os ossos começam a sofrer desgaste.

O aumento do número de casos (no Brasil, há dois milhões registrados) se deve, em boa parte, ao envelhecimento da população.

O processo degenerativo que causa a doença é caracterizado pela perda de água dos discos intervertebrais, estruturas de cartilagem que separam as vértebras, que, ao sofrer desidratação, perdem também espessura, o que prejudica os movimentos do indivíduo. O problema costuma acometer pessoas que trabalham carregando peso de maneira inadequada ou mantêm uma postura incorreta por longos espaços de tempo, explica Pudles, que afirma ainda que nem sempre o processo é incapacitante ou doloroso.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos

Apesar da importância que o estilo de vida tem no desenvolvimento da doença (tipo de trabalho, obesidade, prática de certos esportes e tabagismos são todos fatores que aumentam o risco de desenvolver o problema), outro fator importante, o principal, segundo o neurocirurgião Márcio Ramalho da Cunha, é o genético.

Embora, por ser um processo degenerativo, a discopatia degenerativa não tenha cura. O desconforto que ela causa pode ser bastante amenizado com a adoção de medidas como prática de exercícios físicos e atividades em geral que favoreçam o alongamento do corpo e a mobilidade da coluna e com a manutenção de uma postura corporal correta e de um peso adequado à altura do paciente.

Atividades que causam hipertrofia dos músculos - como, obviamente, a musculação, por exemplo -, infelizmente, podem ter efeitos negativos porque aumentam o alongamento muscular. Casos mais graves exigem intervenção cirúrgica, mas, felizmente, segundo Pudles, 19 de cada 20 casos de discopatia degenerativa melhoram consideravelmente sem a necessidade de cirurgia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo