Falando de gays, existem mais pessoas relacionadas a esse termo, mas que se enquadram em outros departamentos, por isso a criação da LGBT.

O que é LGBT afinal? É uma sigla que abrange praticamente os indivíduos que fazem parte da nossa sociedade, e são tidos como homossexuais.

Homossexualidade é o que difere das pessoas que sentem atração pelo sexo oposto, os homossexuais são emocionalmente e espiritualmente atraídos por pessoas do mesmo sexo.

O termo homossexual data de 1868 quando foi criado pelo jornalista austro-húngaro de nome Karl-Maria Kertbeny.

Supõe-se que desde a antiguidade já existiam pessoas com tais perfis.

Gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros são designados, em uma única sigla LGBT. Esta sigla se refere a todos aqueles que tem diferenciação da orientação heterossexual. É um movimento que busca valer os direitos de cidadãos desses grupos sociais, contra a discriminação o preconceito e a homofobia.

E esse movimento se iniciou com a denominação de GLS, que compreende os gays, lésbicas e simpatizantes.

Houve um crescimento atraindo outros elementos que não se encaixavam nas descrições da entidade, mas sofriam discriminações e preconceito, precisando de direitos específicos, daí a sigla modificou-se abrangendo a todos aqueles que se sentiam desamparados, esquecidos pela sociedade, em função do estilo de vida e orientação sexual.

Na Conferência Nacional que se deu em Brasília em 2008, ocorreu a mudança oficial de GLS para o já bastante conhecido internacionalmente LGBT, movimento que tem sofrido muito preconceito, especialmente por extravagâncias como a parada gay, ou a defesa dos membros do grupo que optaram pela mudança de sexo, o que causou muitas críticas nos setores mais conservadores da sociedade, com base nos valores tradicionais, no caso a família e a religião.

Atualmente, o movimento LGBT vem avançando, ganhando espaço, em diversos segmentos, sendo amplamente defendidos e apoiados por políticos, organizações não governamentais (ONGs), artistas, intelectuais, e diversos meios de comunicações.

Confira alguns artistas que são homossexuais, transexuais, bissexuais ou até mesmo simpatizantes da causa. Eles são muito bem sucedidos na sua carreira, atuando atualmente na novela de Gloria Perez, A Força do Querer.

O ator Marco Pigosi nunca afirmou e nem negou ser homossexual, em uma entrevista ele disse apenas que prazer não tem gênero.

Uma das mulheres mais belas da televisão brasileira, Bruna Linzmeyer é bissexual assumida.

Carol Duarte que vem representando na trama uma transexual, na vida real é lésbica, e fez questão de divulgar isso nas suas redes sociais.

Silvero Pereira, o motorista Nonato, tem uma realidade bem parecida com seu personagem. Ele gosta de se 'montar' com roupas e acessórios femininos, e é muito realizado no que faz.

A surpresa fica por conta de Maria Clara Spinelli, a bela mulher é transexual, e entrou para a história ao interpretar uma mulher cisgenero na televisão brasileira.

Não perca a nossa página no Facebook!