Na última quinta-feira (26), logo após o mercado financeiro ter registrado mais um dia de recuperação, com a bolsa de valores de São Paulo fechando o pregão com forte alta e o dólar caindo e se aproximando da casa dos 5 reais redondos, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), disse que o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro foi para atender a pressão do mercado.

Maia disse durante um fórum de governadores que existe uma pressão por parte da Bovespa para que o governo tome medidas menos rigorosas no combate ao avanço do novo coronavírus no país. Na ocasião, o deputado disse que não poderia deixar de cuidar das pessoas “porque pessoas (os investidores) estão perdendo dinheiro na Bolsa de Valores”.

O mercado enxergou cunho político na fala do parlamentar que, segundo análise de gestores e analistas, figura como sendo um dos possíveis candidatos à presidência da República em 2022 e que tal posicionamento estaria se baseando na opinião pública, a qual a maioria dos brasileiros ainda se diz favorável ao isolamento social.

O economista-chefe da TCP Partners, Ricardo Jacomassi, disse que a fala do presidente da Câmara não reflete o que se vê no mercado. Para ele, são as pequenas e médias empresas quem pressionam o governo por medidas mais amenas, e não os grandes investidores. “As empresas estão muito preocupadas com o que vai acontecer”, disse. “Semana que vem já tem folha de pagamento”, completou.

O analista da Guide Investimentos, Luis Sales, avaliou que o discurso de Maia é de politico interessado em sua base de votos, estando ou não de acordo. Sales entende ainda que se o deputado partir para a linha econômica, perderá o apoio dentro da Câmara.

Discursos de candidato

Já Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos, aponta essas falas, como a de Rodrigo Maia, sempre têm um lado político e que tudo em Brasília é muito bem pensado.

Para ele, prefeitos e governadores também estão se aproveitando do momento de crise para alavancar suas candidaturas.

Já Rafael Panonko, da Toro Investimentos, vê na fala de Maia, além da politização, um certo desconhecimento, uma vez que menos de 1% dos brasileiros investem no mercado de ações o que lhe faz questionar quem seriam essas “milhares de pessoas que não querem que a Bolsa caia”.

Panonko defendeu o confinamento das pessoas, mas reforçou que isso interfere na economia e é preciso medidas claras e efetivas. Ele também chamou a atenção para o fato do governo não ser o único salvador e cobrou ação de outras esferas.

Mercado nesta quinta-feira

Nesta quinta-feira (26), pela primeira vez em duas semanas o dólar comercial fechou o dia abaixo da casa dos 5 reais. A moeda americana era cotada a R$ 4,99, apresentando um recuso de 0,75% em relação à véspera. Já a Bolsa de Valores de São Paulo apresentou sua terceira alta consecutiva [VIDEO], fechando o pregão em 3,67% e batendo a marca dos 77.709 pontos.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!