Na noite desta sexta-feira (24), o empresário Bolsonarista, Winston Ling, afirmou que a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública está impactando diretamente na economia.

Segundo Ling, a credibilidade do país (que tem como presidente Bolsonaro) começou a ficar em baixa, de modo que, está afugentando investidores externos e isso irá prejudicar consideravelmente o programa de privatizações do Governo Bolsonaro.

De acordo com um dos empresários mais apoiadores de Bolsonaro, com a saída de Moro, o Brasil sai perdendo na economia. O empresário foi o responsável por apresentar o atual ministro da Economia, Paulo Guedes, ao então presidente da República Jair Bolsonaro.

Saída de Moro enfraquece Guedes

O pedido de demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça gerou instabilidade na equipe econômica do atual ministro da Economia, Paulo Guedes.

De acordo com técnicos da pasta, a decisão aumenta as incertezas dos investidores externos sobre o processo de reconstrução do país e enfraquece consideravelmente o ministro Guedes.

Paulo Guedes tinha marcado uma transmissão ao vivo juntamente com executivos do Itaú Unibanco as 10h30 desta sexta-feira (24). Mas, ao saber do pronunciamento de Sergio Moro, o ministro da Economia cancelou a reunião.

Segundo os auxiliares do ministro Guedes, as consequentes decisões do presidente Bolsonaro nas últimas semanas tem emitido sinais contraditórios para o mercado mundial e, em especial, para os investidores.

Bolsonaro: exoneração de Mandetta e Moro em meio a pandemia

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) exigiu do governo maior atenção para com a população e com a própria gestão.

A crise gerada pela Covid-19 colocou o país em isolamento social e isso repercutiu drasticamente, não só, na economia brasileira como na economia mundial.

Diante desse fator o presidente Bolsonaro solicitou que o comércio voltasse a abrir, contrariando as orientações da Organização Mundial de Saúde, assim como o próprio Ministério da Saúde e seu gestor, Luiz Henrique Mandetta, na época.

O impasse gerado entre a opinião do presidente Bolsonaro e Mandetta culminou na exoneração do ministro da Saúde.

E, nesta sexta (24), foi apresentado pelo Diário Oficial a exoneração do diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, onde no primeiro documento havia a assinatura de Sergio Moro. Mas, numa coletiva de imprensa, Moro afirmou que não assinou o documento e fez sérias acusações contra o presidente Jair Bolsonaro e finalizou confirmando seu total afastamento do Ministério da Justiça e Segurança Pública alegando não ter condições de trabalho e que seu papel é zelar pela autonomia da PF, a qual Bolsonaro tentou obter dados sigilosos das operações e dos relatórios de inteligência, segundo Sergio Moro.

Programa Pró-Brasil é desenvolvido sem Guedes

Para impulsionar o crescimento econômico foi criado um programa que visa trabalhar com os recursos públicos e que está sendo coordenado pela Casa Civil, do então ministro Braga Netto e sem qualquer participação do Ministério justamente da Economia.

O Programa Pró-Brasil foi lançado na última quarta-feira (22), e visa trabalhar com um conjunto de ações para impulsionar o crescimento da economia brasileira. Todo o Executivo está envolvido com o propósito de recuperação do quadro deixado pela pandemia do coronavírus.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Sergio Moro
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!