Richard Gingras tem uma voz firme e cabelos brancos de comprimento médio que lhe dão o charme e a autoridade de um guru e um pensador renascentista. Conversamos por uma hora por meio do Google Meet –eu no final da tarde, do meu quarto nos arredores de Roma, ele em uma manhã clara, de sua casa no Vale do Silício. Discutimos notícias locais e liberdade de expressão, sociedade aberta e internet.

Em uma entrevista exclusiva à Blasting News, Gingras –vice-presidente de Notícias do Google– analisa os desafios mais importantes que enfrentamos hoje, incluindo o futuro das notícias, como a tecnologia pode ajudar a promover um cenário de mídia melhor, como a pandemia mudou as informações e como o Google está trabalhando para criar um ecossistema de informações mais inclusivo e saudável em todo o mundo.

E apesar da pandemia e dos desafios enfrentados pelos meios de comunicação, Gingras está otimista sobre o futuro da mídia e do jornalismo, enfatizando que a chave “é dar aos cidadãos as informações de que precisam para serem cidadãos informados”.

O que o Google está fazendo ativamente para ajudar os usuários, meios de comunicação e jornalistas a navegar nesta época altamente incerta?

Existem muitas dimensões. A primeira é o que estamos fazendo para garantir que os usuários que acessam os produtos do Google tenham acesso às informações certas.

As notícias podem ser vetores de desinformação, então nós as examinamos em várias dimensões. Uma é garantir que estamos sugerindo os artigos corretos em resposta a perguntas sobre a pandemia. O nível de consultas sobre a pandemia está nas alturas. Mudamos para o modo que usamos durante as eleições: certificando-nos de que o site é confiável, diminuindo o foco na opinião, porque opinião geralmente é menos confiável.

Em segundo lugar, em uma pandemia, um elemento-chave é quais são os números, quantos casos e onde, qual é a taxa de mortalidade. Fizemos esforços especiais para ir a fontes diretas em países ao redor do mundo para obter as informações de governos, onde elas estão disponíveis, da Organização Mundial da Saúde e dos veículos de imprensa.

O terceiro é: em muitas dessas consultas, o tráfego para sites de notícias aumentou, mas o interesse desses usuários é menos sobre a dimensão política da pandemia e mais sobre a dimensão prática. Como isso afeta minha vida diária? O que está acontecendo na minha comunidade? Qual é o estado das escolas? O que acontece com as lojas? Nos EUA compartilhamos as perguntas mais frequentes com veículos de imprensa para garantir que eles tenham uma página com respostas às perguntas dos usuários.

Este é o aspecto prático, mas também temos questões financeiras relacionadas à pandemia...

A Covid-19 teve um impacto: os negócios não estão abertos, as receitas de publicidade estão caindo. Esse é um grande problema e não podemos resolvê-lo sozinhos.

Lançamos um fundo de ajuda ao jornalismo global, onde distribuímos cerca de 40 milhões de dólares para organizações de notícias locais em todo o mundo, 56.000 organizações de notícias locais no total. Novamente, este é o material imediato. Mas o que fazemos para promover a próxima geração de ecossistemas de notícias em nível nacional e local? Como lidamos com a evolução do modelo de negócios e com a evolução do jornalismo? Estou muito otimista sobre o futuro do jornalismo e o futuro das notícias, mas requer reinvenção e escala maciça dos resultados dessa reinvenção em todo o mundo.

Como você sabe, a “infodemia” da COVID-19 é quase tão preocupante quanto a propagação do próprio vírus. Como o Google está lutando contra isso?

É tudo uma questão de adaptar muitos dos mecanismos que tínhamos e ainda temos para lidar com a desinformação. Trabalhamos no nível de segurança: estamos monitorando malfeitores coordenando esforços de desinformação? E quanto a sites falsos? Em segundo lugar, trabalhamos com nosso algoritmo para ter certeza de que ele está capturando as frases corretas sobre a pandemia, as palavras e estruturas certas. E então estamos expandindo alguns dos programas, como checagem de fatos, que ajudam a resolver a desinformação. A comunidade de checagem de fatos cresceu amplamente nos últimos anos. Tivemos um papel no desenvolvimento disso e achamos que é uma dinâmica muito importante. Também estamos dando continuidade ao nosso treinamento e ao nosso trabalho com redações para garantir que elas conheçam as várias técnicas de detecção de desinformação.

Mas esta pandemia não é apenas uma questão de maus atores, ela também tem um grande impacto político em todo o mundo.

Em geral, a desinformação é um problema da sociedade e essa pandemia se tornou uma questão politicamente polêmica em todo o mundo, que foi além da atuação dos malfeitores no canto escuro da internet. A mídia tradicional está envolvida nisso, a grande mídia está envolvida nisso, temos nossos políticos em muitas áreas do mundo que procuram distorcer a percepção das pessoas sobre o problema de maneiras que todos consideramos prejudiciais.

Você acha que poderia haver um antes e depois da COVID-19 no mundo digital com as mídias sociais? É um ponto de inflexão para o mundo digital?

Teoricamente sim.

Antes de lançarmos o Journalism Relief Fund, eu estava tendo reuniões com associações de veículos de imprensa em diferentes partes do mundo. E, em várias dessas ligações, lembrei-me de editores locais dizendo que “este é um alerta em relação às nossas estratégias digitais”. Bem, francamente, isso é algo profundamente decepcionante de se ouvir, além de ser encorajador. Decepcionante no sentido de que estamos há 25 anos com a internet e você tem veículos de imprensa tradicionais que não correram agressivamente atrás de estratégias digitais. Ao mesmo tempo, sou uma pessoa otimista e digo "bem, ok, pelo menos você recebeu o alerta". Como avançamos? De forma geral, esta pandemia está aumentando o foco sobre o que é importante e o que não é, tanto em termos da natureza do jornalismo que você está fornecendo quanto do modelo de negócio que você usa para fornecê-lo.

Qual é a motivação por trás da Iniciativa Google Notícias?

A motivação é simples: é como habilitamos esse ecossistema saudável de notícias. Nossa motivação é bastante direta. Trabalho no Google há mais de 10 anos e vim para o Google porque senti que o Google era uma empresa bastante única: seu sucesso se baseia em um ecossistema aberto. O sucesso do buscador do Google está relacionado ao fato de ser um rico ecossistema de expressão aberta. Damos grande valor à importância do jornalismo em sociedades abertas e posso argumentar que nosso negócio é mais bem-sucedido em sociedades abertas. Mas se você considerar nossos interesses financeiros, precisamos ter certeza de que existe um ecossistema saudável, porque sem ele isso não é bom para busca nem para tecnologias de publicidade.

Mas realmente é a confiança, é o que podemos fazer para ajudar a encontrar esses novos modelos de sucesso para construir um ecossistema saudável daqui para frente.

Você vê alguma tensão entre o mundo do jornalismo objetivo e de alta qualidade e um modelo de receita de anúncios que poderia gerar uma cultura de caça-cliques?

Em nossas sociedades, os meios de comunicação têm sido amplamente apoiados pela publicidade desde o seu início. Falamos sobre a economia da atenção. Isso não é novidade, temos tido uma economia da atenção desde a introdução do rádio e da televisão. Podemos até dizer desde a introdução dos jornais. Portanto, a publicidade na economia da atenção não é nada diferente aqui.

Agora, em termos do método de apoio financeiro para um jornalismo independente forte, não existe um modelo particularmente perfeito.

Se for suportado por publicidade, você pode dizer: “bem, estou suscetível a mudar o foco do meu trabalho jornalístico dependendo do interesse da minha receita de publicidade e anunciante específico?”. Sempre existe esse risco. O mesmo se aplica ao modelo de assinatura. Acho que é uma abordagem muito poderosa, mas você pode mudar o foco, tom ou atitude política de sua cobertura em relação ao que você acha que seus assinantes desejam. E você pode dizer o mesmo sobre o apoio filantrópico ou outro apoio institucional. Sempre existe a possibilidade de você distorcer seus esforços jornalísticos dependendo do que aqueles que estão apoiando você querem que você faça.

Em última análise, trata-se da sabedoria da liderança.

Temos exemplos de sucesso com modelos de publicidade, modelos de assinatura ou modelos de apoio governamental. Mas é tudo sobre a sabedoria da liderança e a maneira como ela resiste ao impulso de ser influenciada pelo fluxo de dólares.

Você acha que o futuro das notícias está no modelo de assinatura? Ou você ainda vê espaço para um modelo de receita de anúncios?

Acho que não há dúvidas, há um futuro para a publicidade. Quando você pensa em modelos de sucesso para apoiar o jornalismo, é importante reconhecer que o ecossistema da informação não é homogêneo. É uma gama de diferentes tipos de produtos, com foco em diferentes tipos de público. Há uma grande diferença entre uma publicação nacional ou mesmo internacional como o The New York Times e uma publicação local como o Longmont Observer no Colorado, e o mix de receitas varia de acordo.

Mas vejamos a publicidade: o que aconteceu com o jornal nos Estados Unidos? Quarenta anos atrás, eles eram a internet de suas comunidades, você os procurava para obter todas as informações de que precisava. E a maioria não era sobre as notícias. Você quer saber onde os filmes estão passando, se posso conseguir cupons de desconto no supermercado, sobre os placares esportivos, as cotações das ações. O que aconteceu não é que a receita mudou, mas o público mudou. Você não vai mais aos jornais para obter essa informação. Você acessa outros sites na internet. Portanto, estamos trabalhando muito em nível local, com editores locais, que trabalham em suas comunidades.

Sim, jornalismo de prestação de contas é importante, mas também os meios de comunicação locais são importantes e a publicidade é relevante para eles.

A Village Media teve os melhores três meses em seus dez anos de história durante a Covid-19 porque eles têm muito sucesso em construir relacionamentos com instituições locais na comunidade. Então, para resumir, existem oportunidades em publicidade, mas elas dependem muito do foco do conteúdo. Se você é como o ProPublica, a publicidade provavelmente não será a resposta, mas para notícias locais acho que há uma oportunidade.

Desde 2016, o mundo da tecnologia tem tomado precauções contra a interferência de atores estrangeiros. Que medidas você está tomando à luz das eleições deste ano?

O que fizemos nas eleições na maioria dos países do mundo foi trabalhar com organizações como a First Draft Coalition e estabelecer organizações coletivas de notícias para basicamente gerenciar salas de guerra e dizer “tudo bem, vamos rastrear o que está acontecendo”.

Os manuais que temos em vigor são bastante consistentes, mas com certeza precisam ser modificados a cada nova eleição em todas as partes do mundo.

Blasting News é uma plataforma aberta e nossa missão é dar voz às pessoas. Até onde você acha que isso é possível e quais são os principais desafios?

Acho que é muito possível dar voz às pessoas. Acho que o desafio, como qualquer outra coisa, é entender onde pode funcionar e onde não funciona. Para que tipo de jornalista, focado em que tipo de informação, pode funcionar ou não. Não acho que esse seja necessariamente o caminho certo para um jornalista que sai da universidade porque ele não estabeleceu nenhuma área de especialização, nenhuma reputação. Acho que a outra parte importante é: o que mais pode ser feito do ponto de vista da colaboração e distribuição? Há muita coisa acontecendo no jornalismo colaborativo. Como você pode reunir uma rede de jornalistas independentes? Por falar em distribuição, a questão é: como você ganha audiência? O seu trabalho é utilizado por outra mídia?

Qual é a sua visão para a mídia nos próximos dez anos?

Eu vou te dizer sobre o que estou otimista e também posso dizer o que estou um pouco preocupado. Sou mais otimista do que pessimista, então começo pelo pessimista.

A grande questão que nosso mundo enfrenta hoje é que a internet basicamente possibilitou a liberdade de expressão além dos sonhos de qualquer um de nós que acredita fortemente na liberdade de expressão. Eu moro em um país com a primeira emenda, que provavelmente é tão ousada quanto qualquer declaração de liberdade de expressão que você tenha em qualquer lugar do mundo. E acho que a internet possibilitou isso, muito além de qualquer sonho que eu teria há 20 anos. Você pode usá-la para distribuir informações úteis e de qualidade para informar os cidadãos das sociedades ou pode usá-la para produzir propaganda.

A questão-chave que enfrentamos em todo o mundo é: como gerenciamos a liberdade de expressão no mundo da internet? Essa é uma pergunta sem resposta. Como abordamos nossa inclinação intrínseca, como seres humanos, de sermos tribais? Se o chefe da minha tribo disser que a lua é azul, então, como um membro dessa tribo, vou olhar para a lua e dizer "talvez seja", porque se eu disser que não é, então talvez eu seja expulso. O jornalismo deve encontrar soluções para essas questões. Minha definição favorita de jornalismo é dar aos cidadãos o conhecimento e as informações de que precisam para serem cidadãos informados. Ensine-os a pensar, não diga a eles o que pensar. O jornalismo não deve reafirmar o ponto de vista específico das pessoas e ser vítima de nossa natureza tribal.

E o otimista?

Podemos usar a tecnologia para nos permitir fazer jornalismo que não podíamos fazer antes. Em um mundo de big data, as ferramentas são cruciais. Mas há uma questão mais básica: você está ouvindo seu público? Você está evoluindo sua abordagem para atender às necessidades deles? Você está evoluindo suas abordagens ao jornalismo que sejam adequadas aos nossos tempos? Como podemos usar o jornalismo de dados para orientar nossas comunidades a entender o que é importante e o que não é?

Vou te dar um exemplo. Houve aquele ataque ao parlamento em Londres cinco ou seis anos atrás. Quatro pessoas morreram. Obviamente, era uma grande história. Aqui nos Estados Unidos, nossas redes de notícias ficaram por dois ou três dias falando apenas sobre o bombardeio de Londres, repetindo vídeos curtos do evento. E, novamente, quatro pessoas morreram. Cada um daqueles dias nos Estados Unidos houve ataques com quatro ou mais mortos que não entraram no ciclo de notícias. Como orientamos nossos cidadãos para que sejam cidadãos informados se não podemos dar-lhes uma melhor compreensão estatística do que é importante e do que não é.

Temos pessoas que votam com base em temores injustificados de terrorismo estrangeiro versus a situação com as taxas de graduação em suas escolas, com a taxa de criminalidade em suas comunidades, com o índice de qualidade do ar, com o índice econômico. Eles têm um bom entendimento das principais métricas de sua comunidade? Novamente, a chave é fornecer aos cidadãos as informações de que precisam para serem cidadãos informados. Estou otimista com isso, mas existem desafios. No entanto, para resolver esses problemas, acho que primeiro precisamos entender as perguntas certas, porque sem a compreensão das perguntas certas, você não pode nem esperar obter as respostas certas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!