Na tarde desta segunda-feira (17), o Fluminense realizou, no CT da Universidad de Chile, em Santiago, o seu último treinamento antes do confronto de terça, às 19h15 (de Brasília), no Estádio Nicolás Chahuán Nazar, em La Calera, diante do Union La Calera, o segundo entre ambos pela primeira fase da Copa Sul-Americana.

Para se adaptar à grama sintética do local da partida, o elenco carioca fez a sua atividade no mesmo tipo de terreno. Inicialmente, o técnico Odair Hellmann enfatizou bastante os trabalhos defensivos e ofensivos, especialmente os lances de bola parada (faltas laterais e escanteios).

Na sequência, os atletas foram liberados para o tradicional recreativo de véspera de jogos.

Segue a indefinição quanto ao time titular. A principal dúvida é quem substituirá Wellington Silva, que não está inscrito, no ataque. Como o peruano Fernando Pacheco também não tem condições de jogo, Odair Hellmann precisará escolher entre Caio Paulista e o uruguaio Michel Araujo para formar o trio ofensivo ao lado de Marcos Paulo e Evanilson. Outra alternativa seria adiantar Nenê e promover a entrada de Paulo Henrique Ganso no meio.

Essa possibilidade, no entanto, é mínima.

O zagueiro Nino, de volta após disputar o Torneio Pré-Olímpico, na Colômbia, e contribuir para a ida da Seleção Brasileira Sub-23 aos Jogos de Tóquio, e o volante Hudson, que não atua desde a derrota de 1 a 0 para o Boavista pela Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca, também têm chances de iniciarem a partida. Nesses casos, Digão e Henrique, respectivamente, iriam para o banco de reservas

Após o treinamento, a delegação seguiu para La Calera, que fica a 120 km de Santiago, capital do Chile.

Como, no Maracanã, as agremiações ficaram no 1 a 1, o Fluminense, além da vitória, necessita de empates a partir de 2 a 2 para evitar uma saída precoce da Copa Sul-Americana. Caso se repita o placar do Rio de Janeiro, haverá disputa de pênaltis.

Alunos do projeto 'Guerreirinhos' visitam delegação tricolor

Para estimular ainda mais o grupo a conseguir a permanência na Sul-Americana, os jogadores, antes de seguirem viagem a La Calera, receberam a visita de alunos do projeto Guerrerinhos, núcleo patrocinado pelo Fluminense com objetivo de angariar novos talentos ao clube das Laranjeiras.

Sem esconder a alegria pelo fato de verem, de perto, os ídolos do time profissional, a criançada chilena teve contato com os atletas que, de forma bastante solícita, distribuíram autógrafos.

O projeto Guerreirinhos, no Chile, tem cerca de 80 alunos e foi inaugurada em 2013. O Peru também sedia uma filial da escolinha tricolor fora do Brasil, desde 2018, com 40 crianças.

Siga a página Futebol
Seguir
Siga a página Fluminense
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!