Depois de ficar muito perto da zona de rebaixamento, o Fluminense ingressou no G-6 do Campeonato Brasileiros, grupo daqueles que, em 2021, estariam representando o Futebol nacional na Taça Libertadores da América, ao derrotar, na noite da última quarta-feira, no estádio da Serrinha, em Goiânia, o Goiás pelo placar de 4 a 2.

Essa mudança de status no Tricolor se deu, para os analistas, pela mudança de postura e, principalmente, por redescobrir a forma de utilizar a sua principal arma ofensiva no elenco: Fred.

"O tão esperado retorno de Fred demorou a engrenar no Fluminense, mas o camisa 9, enfim, se estabeleceu como titular.

Não só por voltar a balançar as redes e chegar a 174 gols em seu jogo de número 300 com a camisa tricolor, mas, por voltar a jogar bem, é um dos motivos pela crescente da equipe de Odair Hellmann no Campeonato Brasileiro. Aos trancos e barrancos, a equipe se estabeleceu na parte de cima da tabela. Com dez pontos nos últimos 15 possíveis, entrou no G-6 e segue firme na briga para voltar à Libertadores", escreveu o jornalista Caio Blois, setorista do clube das Laranjeiras pelo portal UOL Esporte.

Dentro da mesma linha, Thiago Lima, do Globoesporte, foi outro a exaltar a nova postura adotada contra o Goiás, especialmente o técnico Odair Hellmann, que, no intervalo, soube achar uma maneira de aproveitar a enorme capacidade de Fred em prol do crescimento da equipe.

"Antes do gol que iniciou a reação, o Fluminense teve atuação apática: Nenê estava sumido; Yago não dava profundidade; e Pacheco não conseguia achar Fred. Na etapa final, Odair deixou Dodi mais fixo, abriu Nenê na esquerda, puxou por dentro Yago e Hudson e trocou Pacheco por Caio Paulista, que conseguiu dialogar com Fred. O ídolo tricolor fez o seu segundo gol desde a volta ao clube e mostrou como ainda pode ser útil.

É um finalizador nato. Aos 37 anos, continua tendo faro de gol. A bola só precisa chegar mais", escreveu.

Thiago, porém, fez um alerta de que o resultado positivo alcançado fora de casa não pode mascarar o péssimo rendimento no primeiro tempo, nem os erros defensivos da segunda etapa. De acordo com o analista, contudo, é de se elogiar o desempenho da equipe nos últimos dois jogos, especialmente por não ter contado com dez jogadores infectados pelo coronavírus (COVID-19) e outros três com lesões.

No domingo, o compromisso é no Maracanã

Querendo manter o bom momento, o atual sexto colocado do Brasileirão (21 pontos) encara o Bahia no próximo domingo, às 16 horas (de Brasília). Depois de enfrentar Botafogo e Goiás fora de casa, o Fluminense volta a disputar uma partida no Maracanã e o técnico Odair Hellmann poderá contar com importantes retornos.

Recuperados da Covid-19, Andre, Calegari, Luan, Luccas Claro, Luiz Henrique, Marcos Paulo, Miguel, Martinelli e Nascimento, que já trabalham desde a última segunda-feira, voltam a ficar à disposição e têm grandes chances de serem relacionados. Em contrapartida, Paulo Henrique Ganso, outro testado positivo para a pandemia, necessitará de, pelo menos, mais uma semana de treinamentos.

Entregues ao departamento médico, Wellington Silva, Matheus Ferraz e Yuri passarão por novas avaliações médicas.

Desses, apenas o último tem chance de ir a campo no final de semana.

O Fluminense retornou de Goiânia ainda na noite de quarta e se reapresentou no CT Carlos Castilhos, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, nesta tarde de quinta-feira. O elenco ainda trabalha mais dois dias antes de encarar o Bahia.

Siga a página Futebol
Seguir
Siga a página Fluminense
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!