Caçadores neozelandeses abateram acidentalmente quatro takahes, uma espécie de aves ameaçadas de extinção, as quais eles deveriam proteger, tendo-as confundidos com aves que deveriam eliminar.

A existência dos takahes, dos quais restam apenas 300 exemplares, foi ameaçada no santuário de Motutapu Island, fora de Auckland, por mil pukekos, uma espécie de primo da galinha-d'água cujo o comportamento é mais agressivo.

A operação de abate dos pukekos havia sido decidida. Ela terminou imediatamente após os caçadores, que provavelmente confundiram as aves por causa de suas cores azuis semelhantes, perceberam o seu erro.

A morte dos takahes é "profundamente decepcionante", disse em um comunicado o diretor dos serviços responsáveis ​​pela proteção do meio ambiente, Andrew Baucke. Os caçadores da associação local, culpados pelo equívoco, haviam sido "treinados". "Eles tinham recebido todas as instruções necessárias para distinguir o takahe, que não pode voar, do pukeko", disse ele.

Desculpas ao país inteiro

O presidente da associação de caçadores, Bill O'Leary, disse que estava "chocado" e exigiu um pedido de desculpas "para todo o país" pelo erro grotesco. "Estamos bem conscientes de que esta é uma espécie em extinção e esse foi o motivo do abate dos pukekos, que causam grandes danos aos ninhos e ovos."

O takahe, endêmico na Nova Zelândia, hoje está na lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Natureza Animais

Ele foi considerado extinto, até que espécimes foram redescobertos no sudoeste da Nova Zelândia, em 1948.

O pukeko, também nativo da Nova Zelândia, Austrália e Tasmânia, tem o nome de origem Maori. Na Austrália, é comumente chamado de "Swamphen" (galinha pântano). Também está presente em Aru e Kai, ilhas Molucas, na Indonésia; na Ilha TALUGA, em Papua Nova Guiné; em Lord Howe e Norfolk, Ilhas da Nova Zelândia e Austrália; nas Ilhas Kermadec, também na Nova Zelândia.

Ficou perceptível o desespero com a confusão dos caçadores, não? Claramente, o pukeko é bem mais abundante que o takahe, limitado a apenas 300 exemplares.

Diante da imagem em anexo, você também poderia trocá-los?

Deixe o seu comentário!

 

DICAS PARA MUDAR DE PAÍS E COMEÇAR UMA NOVA VIDA

BAHIA: MÃE COLETA RECICLÁVEIS PARA MANTER FILHO EM FACULDADE

EUA: AGÊNCIA AMERICANA DE MEDICAMENTOS (FDA) AUTORIZA VENDA DE VIAGRA FEMININO

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo