Em dezembro de 1993, o policial colombiano Hugo Aguilar carregava com a mão esquerda um rifle, pouco visível na foto, e com as pontas dos dedos da mão direita ele segurava a camisa azul escuro de um homem que ele matou. A seus pés, sem vida, era o traficante de drogas mais perigoso da história da Colômbia. Aguilar apresentou orgulhosamente o cadáver de Pablo Escobar Gaviria.

O coronel aposentado Hugo Aguilar voltou às notícias no final de fevereiro, quando o Ministério Público o prendeu por acusação de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito. O Ministério Público diz que Aguilar tentou legalizar e esconder recursos obtidos com atividades ilícitas devido a sua relação com paramilitares.

Os 33 ativos, entre os quais há dois carros Porsche, clínicas, escritórios, estacionamentos e casas, totalizam cerca de 5 milhões de dólares (16,4 milhões de reais), de acordo com a Procuradoria. O órgão investigador diz que não há justificativa ou apoio para os 5 milhões de dólares que faria parte do capital do ex-oficial, dos quais a origem é desconhecida. Segundo a Procuradoria, além dele, foram presos sua ex-esposa e um suposto laranja.

Do céu a Terra

Aguilar passou de herói a vilão em uma década. Vinte anos depois de formar a equipe que matou Escobar, narcotraficante colombiano que construiu um império multimilionário negociando cocaína, Aguilar foi condenado pela Justiça colombiana em 2013 pelo caso da parapolítica, por seus vínculos com os paramilitares.

Após sua aposentadoria como coronel da Polícia no final da década de 1990, Aguilar se aproximou da política e chegou à Assembleia Departamental de Santander. De lá, ele assumiu o cargo de governador desse departamento, cargo que ocupou entre 2004 e 2007.

Após anos de investigações, Aguilar foi capturado em 2011 e enviado à prisão pelo caso de parapolítica.

Em 2013, o Supremo Tribunal o condenou a mais de nove anos de prisão por sua aliança com grupos paramilitares.

De acordo com o processo, o apoio dos paramilitares foi decisivo para a chegada de Aguilar ao governo de Santander. Em troca, Aguilar teve que nomear uma pessoa escolhida pelos paramilitares no Departamento de Educação.

Nessa sentença, Aguilar também foi condenado a pagar uma multa de pouco mais de 2,1 milhões de dólares (6,9 milhões de reais).

Mas em 2015, o próprio Aguilar, que foi colocado em liberdade condicional em maio daquele ano, disse ao jornal El Tiempo que ele não tinha como pagar esse valor.

Em janeiro de 2011, o Escritório do Procurador-Geral o desqualificou para ocupar cargos públicos por 20 anos depois de provar que ele promoveu e colaborou com os Grupos de Autodefesas Unidos da Colômbia, especificamente com o Bloco Bolívar Central e o Bloco Puerto Boyacá.

De acordo com o órgão disciplinar, Aguilar "aderiu ao cargo de governador desse departamento, colocando sua investidura à disposição da referida estrutura armada ilegal". O coronel reformado é acusado de fazer política no corpo de outra pessoa devido a sua alta influência política em Santander. Seu filho Richard Aguilar foi governador do Santander entre 2012 e 2015 e agora aspira ao Senado pelo Partido Radical do Cambio.

Aguilar Jr. já se separou de seu pai, dizendo que, de um lado, seu pai, Hugo Aguilar, e por outro lado, ele é Richard Aguilar.

O coronel e seu Porsche

Embora o ex-governador tenha sido libertado da prisão alguns anos atrás, ele não pagou a multa de milhões de dólares para reparar as vítimas que o Supremo Tribunal lhe impunha. O ex-governador disse que chegou a um acordo com o Escritório de Reparação e Vítimas e com base em sua pensão faz um pagamento mensal do equivalente a 175 dólares (574 reais).

No entanto, em abril de 2017, a revista Semana revelou fotografias de Aguilar dirigindo um Porsche conversível nas ruas de Bucaramanga, cujo valor, segundo o jornal, era de cerca de 122 mil dólares (400 mil reais).

O Ministério Público revelou que, entre os bens para os quais solicitará medidas cautelares para suspender o poder de compra há apenas dois Porsche, além de outros três veículos de luxo e 29 propriedades localizadas em Santander, Boyacá e Bogotá.

Esses ativos superariam o valor comercial de 5,2 milhões de dólares, disse o Ministério Público.

Em outubro de 2017, o Ministério Público solicitou a apreensão desses bens para compensar parcialmente as mais de 40 mil vítimas reconhecidas no julgamento contra elas, dos quais mais de 5 mil são atribuídos ao Bloco Bolívar Central, com o qual é acusado de estar relacionado.

Siga a página Famosos
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!