O jogo "Rape Day", que foi ao ar pela plataforma de jogos online Steam, vem gerando polêmicas e está sendo acusado de tentar normalizar a violência contra as mulheres, onde os jogadores são encorajados a matar e violar sexualmente as mesmas.

Os jogadores controlam um serial killer e são incentivados a usar o assassino para violentar mulheres dentro do game.

O criador é muito conhecido como Desk Plant e alega que o jogo se trata de uma comédia obscura. Desk diz que ele não viola nenhuma das regras estabelecidas pela Valve, que é a proprietária da Steam. O criador também afirma que o assassino presente no jogo se baseia na ficção.

Uma petição online solicita que o "Rape Day" seja banido e recebeu mais de mil assinaturas em apenas uma semana de lançamento. Os organizadores afirmam que não se trata de um jogo e que os criadores dele vão ganhar dinheiro promovendo a violência e o feminicídio.

A petição foi publicada pelo site Change.org e teve mais de 3 mil apoiadores. O site classifica a petição como vitoriosa, já que "Rape Day" foi banido.

Outro caso

Uma petição igual a essa foi ao ar pelos pais de vítimas de tiros nas escolas. Um game com o nome de "Active Shooter", que simulava tiros nas escolas, tinha sido lançado pela mesma plataforma de jogos online. A petição ganhou muita força naquela ocasião e contou com mais de 200 mil assinaturas, e logo o jogo foi removido.

O criador do jogo afirmou que se o o mesmo for tirado da plataforma, ele irá procurar outras para poder distribuir.

Ele também disse que não violou nenhuma regra, portanto o jogo não pode ser banido a menos que a plataforma mude as suas políticas.

"Rape Day" tem como principal objetivo deixar que as pessoas pratiquem coisas com as quais elas não podem, ou não deveriam fazer na vida real. Uma cena em quem o assassino mata um bebê foi removida. O criador disse que lamentava ter causado sofrimento aos jogadores com essa cena e que ainda está procurando como equilibrar o jogo em uma mesclagem artística e com elementos que ele ama sem causar nenhum transtorno ao público.

Porém, a Valve recentemente lançou um comunicado em que disse que não irá distribuir o jogo. Uma mudança nas políticas da plataforma foi anunciada no ano passado, na qual a empresa deixa claro que não iria lançar nada que gerasse reações negativas do público em geral.

A Valve relatou que a violação cometida por esse jogo foi de “custo e riscos desconhecidos”, não deixando claro qual regra foi quebrada.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!