Internado em estado grave desde abril passado, o filho de Marlen Ochoa-Lopez, de 19 anos, que morreu após duas mulheres lhe fazerem uma cesariana forçada na tentativa de lhe roubar o bebê, abriu os olhos pela primeira vez, quando estava nos braços do pai, que o visitou pela primeira vez. O caso aconteceu na cidade de Chicago, nos Estados Unidos.

A jovem de 19 anos, que estava grávida de nove meses, foi estrangulada e morta antes de ter seu filho roubado por meio de uma cesariana improvisada. Seu corpo foi jogado em uma caçamba de lixo, no fundo da casa onde ela foi morta, e apenas nesta semana o caso foi solucionado.

Clarissa Figueroa, de 46 anos, seu namorado, Piotr Bobak, de 40 anos, além de filha de Clarissa, Desiree Figueroa, de 24 anos, foram indiciados pela polícia. A jovem Marlen será sepultada no próximo sábado (25).

Vítima foi atraída até a casa dos criminosos

Segundo informações da Polícia, para conseguir atrair a vítima até sua residência, Clarissa e Desiree usaram um grupo no Facebook onde prometeram algumas doações, como roupas e um carrinho de bebê. Quando chegou ao endereço indicado, Marlen foi atacada e estrangulada com um fio.

Após o bebê ter sido retirado, Clarissa ligou para o serviço de emergência informando que ela havia acabado de dar à luz. Com dificuldades para respirar, o recém-nascido foi levado de ambulância ao Advocate Christ Medical Center.

Enquanto a família de Marlen buscava saber o paradeiro da jovem, Clarissa fez uma vaquinha virtual para arrecadar fundos e custear um suposto funeral do bebê, que estava em estado grave no hospital.

Durante a investigação do caso, a polícia descobriu a troca de mensagens entre Clarissa e Marlen e decidiu fazer um teste de DNA, que acabou confirmando que a vítima é a verdadeira mãe da criança.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia A Fazenda

O corpo de Marlen foi encontrado em uma caçamba de lixo na casa de Clarissa.

As autoridades, que apontaram o crime como sendo "um ato indescritível de violência", agora investigam as razões pela qual o hospital não comunicou o fato de uma mulher, que não aparentava ter dado à luz, pedir atendimento para um recém-nascido o qual alegava ser seu filho.

Um porta-voz do Advocate Christ Medical Center disse que o hospital está colaborando com as investigações, mas que em conformidade com os regulamentos estaduais e federais, e também por respeito à privacidade, está impedido de dar maiores informações.

A criança, um menino que recebeu o nome de Yadiel, não apresenta função cerebral, mas os familiares estão esperançosos por um milagre. "Estamos rezando por um milagre", disse um amigo da família. Além do recém-nascido, Marlen também já tinha outro filho, atualmente com três anos.

O pai agora busca ajuda para conseguir criar as duas crianças por meio de uma vaquinha virtual. O filho de Marlen permanece em estado grave, mas abriu os olhos pela primeira vez no colo do pai.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo