A Catedral St. Albans, no Reino Unido, reabriu com uma pintura de Jesus negro na última ceia, causando debates e polêmicas nas redes sociais de todo o mundo.

Os responsáveis pela catedral St. Albans são apoiadores do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). De acordo com os ativistas responsáveis pela igreja, a imagem tem como objetivo criar um novo olhar para algo que as pessoas pensam conhecer.

Pintura

A pintura da Santa Ceia mostrando Jesus negro foi descrita pelos ativistas como algo ousado.

O quadro feito pela artista Lorna May Wadsworth foi instalado na área norte da catedral de St.

Albans no Altar dos Perseguidores, no Reino Unido.

De acordo com informações da BBC, a atitude dos responsáveis pela catedral foi em apoio ao movimento vidas negras importam, que já reuniu manifestações com mais de mil pessoas na cidade, e ganha mais espaço a cada dia no mundo.

No ano de 2010 a obra original foi exposta em uma igreja de Gloucestershire, porém foi alvejada por um tiro.

Lorna menciona que a pintura foi realizada em releitura da obra de Leonardo D Vinci produzida no século XV, usando como base um modelo jamaicano. O objetivo seria desmistificar a imagem de que Jesus era branco de olhos claros, causando uma nova reflexão em torno do assunto.

Os responsáveis pela catedral informaram que a obra marca a reabertura da igreja.

Em nota oficial, o grupo afirma apoiar o movimento Black Lives Matter, pois acreditam na mudança e na construção de uma sociedade onde a dignidade de todos os seres humanos seja celebrada e honrada, e a comunidade se fortaleça e se torne mais justa, onde vidas negras importam e vozes negras são ouvidas.

St. Albans

O grupo BLM de ST Albans não faz parte do movimento nacional, eles trabalham de forma autônoma, porém em resposta ao movimento em sua cidade.

De acordo com o grupo o retrato não tem como objetivo defender que a imagem de Jesus é a apresentada, e sim ampliar os questionamentos históricos.

A representante do grupo Shelley Hayles, menciona a facilidade na aceitação da imagem imprecisa de Jesus branco, entretanto são rapidamente responsáveis pelas críticas ao novo retrato, o que mostra o racismo sistêmico do Reino Unido.

Repercussão

A exposição da obra causou debates nas redes sociais. Na página oficial do facebook da catedral, um dos seguidores questionou a transformação de tudo em questão de cor. Afirmou ainda que sendo de Jerusalém, Jesus com certeza teria um tom de pele mais escuro, mas que seus ensinamentos são de amor, amar ao próximo, e que essa seria sua única crença.

Outros seguidores admitiram a necessidade deste tipo de ação, e agradeceram a iniciativa da catedral.

Siga a página Religião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!