Foi negado pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Roberto Barroso, nessa quarta-feira (17) o pedido de suspender o processo de cassação no Conselho de Ética, feito pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O presidente da Câmara teria apelado ao Supremo Tribunal Federal pela licença de uma liminar, para que seu processo fosse suspenso até que fosse considerado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o processo ao qual levaria a ação para sua fase inicial.

A relatoria foi passada para o deputado Marcos Rogério (PDT-RO), esse foi o argumento usado pelos defensores de Cunha para que a ação fosse interrompida e ainda usaram ao seu favor a decorrente anulação da apreciação do petista sendo favorável a continuidade das apurações.

Roberto Barroso no seu parecer, confirmou que o deputado Eduardo Cunha não provou nenhum ato que especificasse alguma irregularidade do presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA).

Em suas palavras o ministro afirmou que, "Apenas não há nada que comprove que a autoridade postulada, que é o presidente do Conselho de Ética, tenha reprimido a defesa do postulante, Eduardo Cunha, ou permitido novas acusações como vantagens indevidas". Segundo o ministro, a aceitação dessa liminar sem provas concretas, representaria a interferência do Judiciário no Legislativo.

Foi adiada nesta quarta-feira com a exposição, pela terceira vez, pela aceitabilidade do protocolo de cassação de Eduardo Cunha pelo conselho de Ética, concedendo nova vista ao relatório, ficando para próxima semana a votação do segmento da ação.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

É esperado para próxima terça-feira (23) o debate do relatório, já que o prazo de concessão de vista é de dois dias úteis. É esperado que o Conselho de Ética vote o parecer de continuidade da cassação de Eduardo Cunha na semana que vem.

Sendo aprovada a aceitação, e a ação tendo continuidade, o acusado é comunicado e terá dez dias úteis para apresentar sua defesa formalmente. Mesmo sendo investigado pelo Supremo, Eduardo Cunha nega qualquer ligação com essas negociatas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo