A semana parece não ter começado boa para o ex-presidente Lula, homem eleito para ser mediador de acordos para tentar frear o processo de Impeachment aberto contra a atual presidente do Brasil, Dilma Rousseff.

Na tentativa de obter apoio contra o processo, depois de ter sua posse como ministro suspensa por uma liminar, o ex-presidente passou a integrar o governo como articulador político, com carta branca para tentar salvar a nau, que ao que tudo indica, estará a deriva consolidando-se o desembarque dos partidos pequenos que restam na base governista.

A debandada destes partidos nos últimos dias tem sinalizado que o ex presidente Lula já não tem mais tanta influência ou perdeu o poder de persuasão perante os partidos com os quais negociava cargos até a última semana e que agora abandonam o governo, deixando Lula com aparente ar de derrota.

Reforçando este cenário, a bancada do PP, em reunião de 47 deputados, teve apenas 1/4 deles contrários ao impeachment, "foi um três para um" conforme disse Marcelo Belinati (PP-PR).

A presidente Dilma, que contava com pelo menos 20 votos dentro do partido, agora não tem mais, se tiver, será no máximo 7 votos, comentou Ricardo Barros (PP-PR), que após a decisão entregou o cargo de vice-líder do governo, anunciando que seu voto é pró-impeachment.

A presidente contava, se mantidos os votos do PP, com 193 votos, e agora ela pode contar com apenas 180, a perda de 13 votos do PP vai se somar a outra maior ainda, a do iminente abandono, quase na totalidade, do PMDB, principal aliado do governo, com o líder do partido liberando a bancada para votar livremente e as com recentes adesões de partidários ao voto pró-impeachment, (lembrando que Dilma precisa de pelo menos 172 votos a seu favor).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula Política

No Paraná, por exemplo onde se podia contar com apenas o voto de Osmar Serraglio (PMDB-PR) pró-impeachment, já é dado como quase certo o fechamento em torno da questão.

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), considerado um aliado do Planalto, já decidiu que vai apoiar o impeachment: “Não vejo dificuldade [em votar pró-impeachment]. O governo teve todas as chances e o partido decidiu por ampla maioria[...]", declarou resumidamente Barros, que é tesoureiro do diretório nacional do PP, decidindo por seguir a decisão do partido.

Nesta tarde de terça-feria (13), o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, também apresentou seu pedido de exoneração, informando ao Planalto que deixa a pasta seguindo orientação do partido (PP) para apoiar o impeachment de Dilma Rousseff.

No começo da semana, o governo já havia sofrido o abandono do PRB, partido da Igreja Universal e do Dep. Celso Russomanno, mostrando que sua vulnerabilidade só tem aumentado.

OPRB tem 21 deputados e um senador, além do Ministério dos Esportes sob a responsabilidade de George Hiltom, que colocou o cargo a disposição, lembrando que o partido está com o governo desde 2003, época do governo Lula, que antes disso era chamado pela Universal de "demônio" e "representante de satanás".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo