A atriz Isabelle Drummond, de 24 anos, foi criticada nas redes sociais na última terça-feira (1º), após publicar em seu Stories no Instagram uma mensagem que muitos interpretaram como sendo de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). "A hora chegou. Feliz 2019", escreveu a atriz, com uma bandeira do Brasil acompanhando. Muita gente entendeu a postagem como uma referência à posse de Bolsonaro.

Durante a campanha presidencial, a atriz já havia sido criticada no Instagram por suposto apoio a Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Ela nunca disse explicitamente que apoiava o presidente, mas suas postagens davam a entender essa preferência em relação aos demais candidatos.

Em outubro, pouco depois da disputa do primeiro turno, Isabelle curtiu uma publicação da também atriz Regina Duarte. A postagem da veterana da televisão era favorável a Bolsonaro. Os internautas criticaram a jovem atriz.

Nesta quinta-feira (3), o TV Foco revelou que o apoio de Isabelle Drummond a Jair Bolsonaro pode ter algum sentido quando se olha o passado da atriz.

Publicidade

Há 11 anos, em 2007, seu pai, Fernando Luiz Drummond, à época com 45 anos, foi assassinado.

O homem era gerente em um posto de gasolina na cidade de Niterói. Assaltantes tentaram roubar o posto e acertaram dois tiros no rosto de Fernando Luiz. Ele não resistiu e morreu no mesmo local. O caso repercutiu porque àquela altura Isabelle Drummond já era uma estrela da televisão brasileira. Ela havia dado vida à boneca Emília nas seis temporadas do Sítio do Pica-Pau Amarelo, na Globo, entre 2001 e 2006.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos Jair Bolsonaro

Principal pauta de Bolsonaro

Jair Bolsonaro foi eleito presidente com 57 milhões de votos no segundo das eleições presidenciais ao derrotar o candidato do Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad. Bolsonaro sempre destacou com muita ênfase a questão da segurança pública. Uma das principais bandeiras do candidato era a liberação da arma de fogo para a população.

A posse de arma de fogo é um tema bastante polêmico e divide opiniões.

Há pessoas que se posicionam favorável e há pessoas que se posicionam contra a liberação da posse (ter a arma na residência ou em um comércio) ou porte (poder circular com a arma).

Bolsonaro anunciou, na véspera do ano, que pretende liberar a posse da arma de fogo por decreto. O presidente eleito deverá ser bastante cobrado nos próximos anos nos assuntos relacionados à segurança pública.

Em 2017, de acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), foram registrados 63.880 homicídios em todo o Brasil, um recorde histórico deste levantamento.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo