Durante a campanha eleitoral do ano passado, Rodrigo Amorim (PSL-RJ) quebrou uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada no início de 2018. Contando com o apoio da família Bolsonaro, ele foi o deputado estadual mais votado do Rio de Janeiro, com 140.666 votos.

Neste último domingo (3), Amorim criticou o enredo escolhido pela Mangueira, sua escola de samba do coração, que decidiu neste ano homenagear a falecida vereadora.

Em uma entrevista ao jornal Extra, o deputado relatou que se chateia com esse tipo de situação, como por exemplo o modo com o qual as faculdades de hoje em dia tem tentado impor a cultura de “esquerda” nos estudantes. Para ele a esquerda tem dominado cada dia mais a cultura e que eles conseguiram chegar até nós blocos de carnaval, o que o deputado não concorda.

Amorim disse também que, mesmo depois de criticar a Mangueira, não iria perder o desfile da escola de samba, mas que iria assistir de longe.

O enredo que a verde e rosa escolheu para o carnaval este ano é "História Pra Ninar Gente Grande". Em uma das estrofes diz o seguinte: "Brasil, chegou a vez/ De ouvir as Marias, Mahins, Marielles, Malês".

Escola que homenageou Marielle em SP é rebaixada

Pela primeira vez em 89 anos, a escola de samba Vai-Vai foi rebaixada no Carnaval de São Paulo. Muitos internautas têm atribuído o rebaixamento da escola à homenagem feita a Marielle Franco.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Quem foi Marielle Franco?

Marielle Franco era uma mulher negra, mãe e nascida e criada na favela da Maré, no Rio de Janeiro. Era formada em Socióloga pela PUC-Rio, com mestrado em Administração Pública.

Foi eleita vereadora da Câmara do Rio de Janeiro pelo PSOL, com 46.502 votos. Ela também foi também a Presidente da Comissão da Mulher da Câmara.

Marielle iniciou a sua militância com foco nos direitos humanos depois de ingressar no pré-vestibular comunitário e perder uma amiga, que foi vítima de uma bala perdida, em tiroteio de policiais e traficantes que aconteceu no Complexo da Maré.

Aos 19 anos ela foi mãe de uma menina, que foi estopim para se constituir como uma forte lutadora pelos direitos das mulheres e começar a falar sobre esse tema em favelas.

No dia 14 de março de 2018 ela foi cruelmente assassinada em seu carro. Treze tiros atingiram o veículo, matando ela e o motorista, Anderson Pedro Gomes.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo