Duas advogadas da cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul, mostraram-se bastante indignadas com a demora do Supremo Tribunal Federal (STF) para julgar um caso de um dos clientes delas. O processo estava nas mãos da ministra Rosa Weber e, mesmo passados 11 anos, nada foi analisado e nem decidido pela mais alta Corte do país. Em um tom de desabafo, as mulheres enviaram uma carta para a ministra com tom de ironia. O homem falecido tinha 80 anos e morreu sem saber qual decisão o Supremo tomaria no seu caso.

As informações são da Gaúcha Zero Hora.

As advogadas que enviaram a carta são Lilian Velleda Soares e Maria Emília Valli. Elas defendiam Celmar Lopes Falcão, que era servidor aposentado da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). O cliente delas queria um reajuste em sua aposentadoria, conforme muitos outros servidores iguais a ele também lutavam. Em maio de 2008, o INSS ingressou com um recurso no Supremo, conseguindo congelar o reajuste de aproximadamente 28,8%, e isso teve uma repercussão em todo o país.

Os ministros do STF estavam responsáveis pela análise desses casos, e apenas após uma decisão deles é que o órgão do Governo iria restabelecer o reajuste nas aposentadorias. Entretanto, se passaram 11 anos e nada foi resolvido.

A carta

Na carta direcionada à ministra Rosa Weber, as advogadas ironizaram a demora em se buscar uma solução para ajudar esses servidores. Elas parabenizaram a ministra pela demora. Em seguida, escreveram que as pompas fúnebres que envolveram o senhor falecido não tinham lagostas e nem vinhos finos, pois os impostos são pesados demais.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo

"Parabéns, ministra, pela demora (...) Informamos também que as pompas fúnebres foram singelas, sem as lagostas e os vinhos finos que nossos impostos suportam", escreveram.

Ao falar nas lagostas e nos vinhos finos, as advogadas lembraram da licitação ocorrida no STF para a compra desses produtos caríssimos, no início deste ano. Vale ressaltar que isso foi muito criticado diante da crise que na época estava envolvendo o país.

Segundo informou a revista IstoÉ, a ministra Rosa Weber foi procurada para comentar sobre esta carta, no entanto, ela, até o momento, preferiu não se manifestar.

Entrevista

Em uma entrevista à Rádio Gaúcha, a advogada Lilian Velleda Soares esclareceu o que a levou a enviar a carta para a Corte. De acordo com ela, não é apenas uma crítica para a ministra, mas para o Estado.

Elas enviaram na carta ao STF uma cópia de atestado de óbito do cliente delas para mostrar a morosidade que existe no Supremo.

Segundo Lilian, a manifestação feita está dentro das regras do jogo. Entretanto, ela percebeu que houve também uma publicização em torno disso tudo. Ela enfatiza que quem divulgou e espalhou a atitude delas ao público não foram elas.

"Não é o nosso padrão de comportamento buscar publicidade para o nosso trabalho", disse.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo