O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Victor dos Santos Laus, afirmou nesta terça-feira (1°) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "desfruta de condição especialíssima" na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Segundo ele, o petista "não é bem-vindo onde ele está" e vários moradores da região já pediram a saída dele de Curitiba para que os transtornos na região sejam minimizados. A entrevista de Laus foi feita à rádio Gaúcha.

Victor Laus assumiu a presidência do TRF-4 em abril deste ano, entrando no lugar de Thompson Flores.

A entrevista do desembargador acontece após uma decisão de Lula de não aceitar ir para o regime semiaberto. Procuradores da Operação Lava Jato defendem que o ex-presidente aceite o benefício e até entraram com esse pedido na Justiça, afirmando que ele tem tido um bom comportamento na cadeia.

"Ele não está preso num estabelecimento que é destinado a todos os presos, ele está na dependência da Polícia Federal, uma situação absolutamente especial. Até em função da condição dele, e porque ele responde a outros processos, se entendeu adequado que ele permanecesse.

Pode-se dizer que é uma regalia. Os demais presos não desfrutam de tratamento semelhante", disse Laus .

O líder do PT insiste em dizer que quer provar a sua inocência e que não vai barganhar sua liberdade. A defesa dele diz que a decisão de ir para o semiaberto não pode ser uma imposição da Justiça.

Manifestações

O presidente do TRF-4 afirmou que já recebeu várias manifestações de pessoas pedindo a retirada de Lula da Superintendência da PF. Para Laus, o fato de Lula recusar o benefício do regime semiaberto "é uma situação extraordinária".

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lava Jato Lula

O desembargador ressaltou que a negação de Lula ao semiaberto não tem nenhum impacto nas decisões já tomadas pelo tribunal, que, em breve, estará julgando uma nova condenação do ex-presidente que envolve um sítio localizado em Atibaia.

Para Laus, o petista pode se considerar injustiçado da forma como preferir, pois isso "faz parte do manual de quem conhece a Justiça criminal". Contudo, o desembargador ponderou que Lula não vai mudar a realidade dos fatos agindo desta maneira.

Victor Laus, quando fazia parte da 8ª Turma, havia votado pela condenação do petista por corrupção e lavagem de dinheiro na ação do triplex de Guarujá, seguindo o entendimento do relator João Gebran Neto.

Na época, eles chegaram a aumentar a pena que havia sido imposta pelo então magistrado Sergio Moro.

Mais tarde, através do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a defesa do líder do PT conseguiu diminuir a pena de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos e 10 meses. Segundo a Lei de Execução Penal, quando o detento completa um sexto da pena ele tem direito ao regime semiaberto.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo