Ainda na última terça-feira (29), o presidente Jair Bolsonaro chegou a questionar um repórter, na porta do Palácio da Alvorada, sobre o que ele gostaria que fosse feito para evitar as mortes decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Também na data citada, o Brasil ultrapassou a China no número de óbitos pela doença em questão.

De acordo com informações veiculadas pelo Ministério da Saúde, somente as mortes confirmadas de Covid-19 já ultrapassaram a marca de 5 mil. Na China, país que foi considerado o epicentro da doença ainda no início da crise, ocorreram 4.643 mortes.

Devido aos fatos destacados, durante uma entrevista de Jair Bolsonaro, uma jornalista chegou a dar a informação em questão ao presidente da República e ele respondeu questionando “E daí?”, assim como havia feito anteriormente ao apontarem que novo comandante da Política Federal é amigo dos seus filhos.

Após responder dessa forma, Bolsonaro ainda perguntou o que o jornalista gostaria que ele fizesse. "Quer que eu faça o quê?", questionou de volta o presidente ao saber sobre o recorde de mortes no país e o fato de o Brasil ter ultrapassado a China no número de óbitos por coronavírus. O presidente ainda afirmou que é Messias, mas ainda não consegue operar milagres.

Ainda durante a entrevista em questão, Jair Bolsonaro afirmou que sente solidariedade pelas famílias das pessoas que faleceram em decorrência da Covid-19, destacando que grande parte dos mortos eram idosos. Entretanto, posteriormente, o presidente afirmou que “é a vida” e amanhã isso pode acontecer com ele.

Também durante essa entrevista, Bolsonaro foi questionado sobre uma possível conversa com Nelson Teich, o atual ministro da Saúde, a respeito da possibilidade de flexibilizar o distanciamento social.

Entretanto, o presidente afirmou que não dá parecer e que não pode obrigar Teich a fazer nada.

Se mostra válido indicar que Jair Bolsonaro ainda afirmou que ninguém foi capaz de negar que o novo coronavírus causaria mortes no Brasil e ressaltou que 70% da população do país será infectada pelo vírus.

De acordo com ele, as pessoas que faleceram ainda ontem foram infectadas há duas semanas.

Bolsonaro é questionado sobre decisão judicial

Ainda durante a entrevista em questão, Jair Bolsonaro chegou a ser questionado pela decisão judicial que deu direito ao jornal O Estado de S. Paulo de ter acesso aos resultados dos seus testes para Covid-19.

Ao todo, foram dois exames que o presidente afirma que o seu resultado foi negativo.

Na ocasião, o Bolsonaro voltou a afirmar que tem o direito de não mostrar o resultado e afirmou que os jornalistas nunca o viram rastejando, de forma que isso prova que ele não teve a doença. De acordo com ele, não existe problema em mostrar os exames, mas ele não deseja mostrar, e que esconder esses exames também é um direito dele.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!