Em conversa gravada com o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que teria que “sair na porrada” com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento de abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar ações e eventuais omissões do Governo federal na pandemia do novo coronavírus.

A declaração aconteceu durante uma conversa entre os dois políticos no último sábado (10). Kajuru já havia publicado a maior parte da conversa no último domingo (11), porém, divulgou mais um pedaço nesta segunda-feira (12), em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Segundo Bolsonaro na gravação, se Kajuru não participar dessa comissão, Randolfe, a quem o presidente chamou de “canalha”, iria "começar a encher o saco".

Em declarações ao jornal O Globo, Kajuru disse que não havia publicado essa parte da conversa para proteger Bolsonaro e Randolfe.

Na manhã desta segunda-feira (12), o presidente fez criticas à gravação da conversa e defendeu que o senador mostre todo o diálogo.

Kajuru, no entanto, disse ter avisado o presidente sobre a gravação e que iria divulgar o conteúdo da conversa, e que Bolsonaro não colocou nenhum obstáculo. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente, entrou com uma representação no Conselho de Ética no Senado Federal contra Kajuru.

Análise do Senado

No Senado há hoje dez pedidos de impeachment contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) que estão na gaveta do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM). Somente contra o ministro Alexandre de Moraes são seis pedidos. Além de Moraes, também há pedidos para investigar os ministros Gilmar Mendes, Edson Fachin e Cármen Lúcia.

O senador Carlos Viana (PSD), vice-líder do governo no Senado, também está tentando colher assinaturas para uma outra CPI que vai investigar a interferência entre os Poderes e dessa comissão poderia sair um possível pedido de impeachment do ministro Luís Roberto Barroso.

Na próxima quarta-feira (14), a Suprema Corte vai analisar a liminar do ministro Barroso que determinou a instalação da chamada CPI da Covid-19.

Em entrevista ao Estadão, um ministro disse que a maioria da Corte vai votar a favor da medida, mas com a ressalva de que a CPI só deverá ser instalada quando os trabalhos voltarem a ser presenciais, o que pode significar que a comissão não será agora.

Procurado para comentar a conversa de Bolsonaro com Kajuru, Pacheco não quis comentar. A interlocutores, no entanto, ele teria dito que não vai tratar a atitude de Bolsonaro como interferência à atuação do Senado.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!