Na madrugada desta sexta-feira (14), o jornalista Clóvis Rossi, de 76 anos, integrante da Folha de S.Paulo, morreu na sua casa, em São Paulo. Clóvis que era casado há mais de 50 anos e estava se recuperando de um infarto sofrido na semana passada, que o deixou por um tempo internado no Hospital Albert Einstein. O jornalista deixa, além da esposa, três filhos e três netos.

O último texto do colunista e membro do Conselho Editoral do jornal paulista foi publicado nesta quarta-feira (12), intitulado "Boletim Médico".

Publicidade
Publicidade

Uma das filhas do jornalista, Cláudia, disse ao também jornalista Juca Kfouri que seu pai estava em recuperação, mas acabou passando mal nesta sexta-feira e não resistiu.

Clóvis Rossi será velado no Cemitério Gethsêmani, no Morumbi, zona sul de São Paulo, a partir das 16h desta sexta-feira. O enterro será no sábado, às 9h.

Clóvis nasceu no dia 25 de janeiro de 1943, em São Paulo, mesmo dia em que a cidade comemora aniversário. O jornalista se consagrou na carreira na Folha de S. Paulo, onde escrevia atualmente às quintas e domingos e exercia o cargo de repórter especial. Ele estava no jornal desde 1980.

Jornalista explica ausência

Após ter se ausentado no último domingo (9), o jornalista fez questão de explicar sua ausência através de um texto publicado em sua coluna nesta quarta-feira (12). Rossi relatou ter sofrido um infarto na sexta-feira (7), tendo que ser submetido a uma angioplastia para a colocada de um stent. No entanto, ele explica aos leitores que não foi suficiente e precisou ser submetido a outra angioplastia nesta terça-feira (11), onde foram colocados mais quatro stents em seu corpo.

Publicidade

Clóvis aproveitou o espaço para expressar sua felicidade por ter ocorrido tudo bem e parabenizou a eficiência e rapidez do atendimento do Hospital Albert Einstein. O jornalista também agradece ao médico José Mariani, da Hemodinâmica do hospital, responsável por colocar os stents. Os médicos Giuseppe Dioguardi e Cláudio Rossi, irmão do jornalista, também foram citados no seu agradecimento.

Apesar do quadro crítico, o jornalista se mostrou otimista, dizendo que sua alta estava prevista para quinta-feira (13).

Rossi também ressaltou que se tudo ocorresse bem, já que seu músculo cardíaco não havia sido afetado, retornaria às suas atividades profissionais na semana quem vem. Para terminar, o jornalista deixa também seu agradecimento aos seus companheiros de trabalho da Folha. "Que me ampararam e até mentiram dizendo que estavam sentindo minha falta", brincou.

Prêmios

Consagrado no meio jornalístico, Rossi conquistou ao longo de sua carreira, dois dos mais importantes prêmios da área nas Américas: o Maria Moors Cabot e o da Fundação para um Novo Jornalismo Iberoamericano.

Publicidade

Leia tudo