Perto do término da exposição que mostra quase 120 quadros da artista que participou da Semana de Arte Moderna em 1922, os paulistanos e turistas fazem estender as filas no vão livre do Masp.

Façanha alcançada pela pintora Tarsila do Amaral, brasileira nata, o título da mostra é mais do que louvável ao atrair tanta gente; a maioria é composta de jovens.

Com o nome de “Tarsila Popular”, os últimos dias foram marcados por uma febre, graças à procura e interesse em apreciar sua obra; na última terça-feira, 23/07, cerca de 8 mil pessoas foram conferir os traços, desenhos e cores representados nas telas da artista.

Esticada e estrondo

Em razão do megassucesso de bilheteria, a direção do Museu de Arte de São Paulo (Masp) optou por ampliar o horário de visitação pública para esta semana de despedida. A exposição terminará em 28 de julho, domingo que vem.

Mas, antes disso, aqui vão os horários para a entrada: na sexta, dia 26/07, o museu fecha às 21 h. Vale lembrar que o ingresso neste dia é pago. No sábado, o Masp oferecerá a oportunidade de ver “Tarsila Popular” até a meia-noite.

E, finalmente, no domingo, a mostra fecha mais cedo: às 19 h. Em todos os dias citados, cobra-se ingresso que varia de R$ 20,00 a R$ 40,00.

Até domingo passado, 21/07, o Masp divulgou a presença de 350 mil visitantes em suas instalações, frequentando os corredores da pintora que nasceu no interior de São Paulo.

Montagem da exposição

Quem for ao Masp e tiver a expectativa de uma montagem baseada em fatos cronológicos, poderá se decepcionar.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos Mulher

É que os curadores planejaram a mostra de uma maneira um pouco diferente: por núcleos que sugerem pequenos temas.

Lá estarão os retratos pendurados de Mário e Oswald de Andrade; em outra parede, uma das obras bem conhecidas de Tarsila do Amaral: “A Negra” de 1923; um pouco mais adiante, há uma sequência de retratos e autorretratos.

Andando um pouco mais, o visitante poderá admirar um conjunto de nus artísticos, registros de viagens por outros estados brasileiros e práticas e tradições religiosas.

Outra parte da exposição é dedicada ao povo e seu contexto na recém industrialização e urbanização da época (década de 30). Um olhar menos alegre e mais atento para as transformações e reforços de desigualdades sociais.

Um dos pontos máximos é a seção de quadros de Tarsila que se refere às suas mais famosas obras como o “Abaporu” (1928) e “Antropofagia” (1929). Elas estão lado a lado com outra obra muito importante da pintora modernista denominado “Batizado de Macunaíma” (1956).

De acordo com o curador da mostra, o propósito é gerar novos diálogos e ideias em torno da obra de Tarsila. No caso das três últimas obras citadas, sugere-se que a artista paulista tinha conhecimento e/ou ligação com a mitologia indígena.

Como curiosidade: o “Abaporu”, quadro tão alardeado da representação pura da cultura brasileira não fica sediado no território verde-amarelo. Atualmente, o “dono” da obra com a figura de pé grande é o Museu Latinoamericano de Buenos Aires (MALBA), na Argentina.

Depois de a exposição terminada, o “Abaporu” retornará ao seu lugar, nas terras de “los hermanos”.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo