Lore Vaz, jovem universitária na flor da idade e cheia de sonhos, com um filho na época com 10 anos, foi abordada na saída da faculdade no ABC paulista, sequestrada e encontrada morta (degolada) dentro de seu veículo. O crime ocorreu no mês de setembro de 2012. Ela teve rosto deformado e dentes arrancados. Tudo indica que, antes de ser assassinada, a universitária reagiu. Em suas unhas, foram encontradas vestígios de pele humana.

Imagens da câmera de segurança de uma empresa registrou momento e horário que foi deixado o carro com o corpo da mesma e outro veículo usado na fuga dos suspeitos. Após investigações, a policia apreendeu um veículo usado no dia do crime e prendeu 3 suspeitos, entre eles, o ex-marido da jovem (Alan Peçanha). O caso teve repercussão nacional e o suspeito foi levado a juri popular. O julgamento foi em duas audiências ocorridas no Fórum de Santo André, interior de São Paulo, nos dias 9 e 10 de março de 2015, com longas horas de duração.

No primeiro dia, foram ouvidos testemunhas de defesa, entre elas, o pai do ex-marido da universitária. Também foram ouvidas as testemunhas de acusação, dentre elas, o delegado que presídio as investigações e Vandete de Santana Vaz, mãe da universitária assassinada.

No segundo dia, houve o debate entre a promotoria e o defensor do acusado. O julgamento foi acompanhado pelos familiares da vítima.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Com sentença mínima de 12 anos e máxima de 30 anos, Alan Peçanha foi condenado à 29 anos e 4 meses de prisão, mas, provavelmente, cumprira apenas um terço da pena, com direito a regime semiaberto.

Ainda não foi marcada a data para o julgamento (júri popular) dos outros dois suspeitos de também terem cometido o crime, que, segundo a Polícia, foi motivado por motivos financeiros. Conforme a Justiça, Alan Peçanha, ex-marido de Lore e mandante do assassinato, contratou os suspeitos para executar o crime.

Para a família da jovem, a pena condenatória de Alan Peçanha, mandante do crime, não foi satisfatória.

Fica a pergunta, foi feito justiça?

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo