Um livro, assim como uma obra de arte, se presta a inúmeras interpretações. Ainda mais quando este livro é “O Príncipe” de Maquiavel (1469-1527), um clássico da filosofia moderna e obra-prima da ciência politica.

Dele podem-se extrair lições infindáveis, como essas que seguem:

1. Moral utilitária. É lugar comum atribuir-se a Maquiavel a tese da moral utilitária, segundo a qual “os fins justificam os meios”.

Do mesmo modo, costuma-se dizer que uma pessoa, não muito altruísta, é maquiavélica. Essa ideia não passa de uma injustiça para com o filho de Florença. Em nenhum capítulo do livro, vinte e seis no total, ele escreveu que “os fins justificam os meios”. Provavelmente esse “erro” deve-se as inúmeras traduções feitas pelo mundo a fora. Como o livro tornou-se “leitura obrigatória dos maiores líderes do planeta”, foi fácil propagar tal ideologia.

2. Humanismo cívico. O pensamento de Maquiavel, base da ciência Política moderna, pode ser identificado com humanismo cívico, vertente intelectual que fundamentou o renascimento italiano. Isto é, trata-se do movimento que passa a lutar contra a ampliação dos principados tirânicos. Nesse sentido, o humanismo cívico foi palco do ressurgimento de um conjunto de valores clássicos, associados ao republicanismo.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Filósofos como Platão, Aristóteles e Cícero foram reinterpretados. Desse modo, os pensadores renascentistas foram buscar na antiguidade ideias para defender a democracia e a liberdade humana, atualizando o pensamento político, mergulhado na “era das trevas”. Para Maquiavel, “Todos os Estados bem governados e todos os príncipes inteligentes tiveram cuidado de não reduzir a nobreza ao desespero, nem o povo ao descontentamento.”

3. Cidadania plena. O principal legado dos clássicos da antiguidade para os humanistas do renascimento italiano, dentre eles Maquiavel, foi à lição de que a plena realização da cidadania só seria possível mediante a participação efetiva dos indivíduos nos assuntos públicos.

Para Maquiavel, a cidadania plena só é conquistada pelas lutas e pela virtude. Nesse sentido, ele afirma que um homem prudente deve empreender sempre os caminhos trilhados por grandes homens e tomar por modelo os que foram excelentes, a fim de que, mesmo que não consiga alcançar as mesmas virtudes e glórias, possa, ao menos, reproduzir seus princípios. Enfim, Maquiavel escreveu O Príncipe como “receita de bolo” e dedicou-o a Lourenço de Médici para unificação da Itália e tornou-se teórico principal da formação do Estado moderno.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo