Chegou ao catálogo da Netflix nesta última sexta-feira (7) a produção espanhola "Elisa y Marcela". O filme dirigido por Isabel Coixet é baseado em eventos reais e conta a história ocorrida em 1910 do primeiro casamento homossexual ocorrida na Europa.

A trama

Elisa Sánchez Loriga (Natalia Molina) e Marcela Gracia Ibeas (Greta Fernández), são duas adolescentes que se conhecem na escola e logo se apaixonam uma pela outra.

Inicialmente as duas jovens não conseguem ficar juntas, pois os pais de Marcela a retiram da escola e a mandam para outro estabelecimento de ensino distante do pequeno vilarejo onde vivem na Espanha.

Publicidade
Publicidade

Nem a distância e nem o tempo foram capazes de diminuir o amor entre as duas. No período em que ficaram distantes, elas continuaram a se comunicar por meio de cartas apaixonadas.

Após três anos de ausência, Marcela retorna para o vilarejo e reencontra Elisa. As duas agora já formadas e trabalhando como professoras, conseguem viver um romance.

Mas logo os moradores da comunidade começam a desconfiar das duas, o que causa vários problemas para Elisa e Marcela.

Publicidade

Depois de ter sido agredida pelos moradores, Elisa assume a identidade de seu primo falecido, Mario, para poder se casar com Marcela. Vestida de homem, ela consegue enganar o padre e casa-se com Marcela.

A fraude cometida por elas logo é descoberta e as duas sofrem graves consequências, a decisão dessas mulheres em enfrentar a sociedade da época, que via o homossexualismo como crime (fato que ocorre até hoje em muitos lugares do mundo), marcou as vidas dessas duas mulheres com várias tragédias e escolhas difíceis.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Seriados Cinema

"Elisa y Marcela" talvez tenha como ponto negativo não ter dado maior profundidade às duas protagonistas.

No início do longa é mostrado o núcleo familiar de Marcela, composto de pai e mãe, em que é visto um homem opressor, que trata assim tanto a esposa, como também a filha.

Marcela fala sobre um fato estranho ocorrido em sua infância que envolve seus pais, porém, este arco dramático não é explorado.

Em relação ao passado de Elisa, quase nada é revelado.

Por outro lado, o filme acerta ao mostrar uma sociedade preconceituosa e intolerante. O filme parece fazer um paralelo com os dias atuais, passados mais de cem anos, ainda há muito a ser feito em relação à aceitação do homossexualismo.

Ao que parece, a produção está mais interessada em mostrar a história das duas protagonistas juntas do que traçar um perfil mais abrangente de cada uma das protagonistas.

A diretora e roteirista Isabel Coixet conheceu a história de Elisa e Marcela em uma viagem e decidiu contá-la no Cinema.

Publicidade

A cineasta classificou como um ato heroico a luta destas mulheres.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo