Até bem pouco tempo, poucas pessoas tinham conhecimento das opiniões, no mínimo, controversas, de Dante Mantovani, mas agora que o maestro se tornou o novo presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), as opiniões polêmicas de Mantovani provocaram a indignação de artistas e roqueiros do Brasil.

Tudo conectado

Em um de seus 67 vídeos em seu canal do YouTube, Mantovani afirmou que: "o rock ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto". E para complementar sua teoria, ele disse que a indústria do aborto leva até o satanismo.

Dante é mais um nome recém-nomeado pelo Governo Bolsonaro. Ele está substituindo Miguel Proença, que fora exonerado e era ocupante da cadeira desde fevereiro. Em seus vídeos, o maestro ainda disse que os artistas que se apresentaram na abertura das Olimpíadas de 2016, Anitta, Gilberto Gil e Caetano Veloso, "são aberrações sonoras".

Apesar de sua estranha teoria, Mantovani diz gostar de grupos de rock como Metallica e o grupo brasileiro Angra, O baixista do Angra, Felipe Andreoli, declarou, nas redes sociais, que se sente envergonhado por ver o nome de sua banda citado pelo presidente da Funarte.

Dantesco

Este foi o adjvetivo usado por Bruno Gouveia, vocalista do grupo Biquíni Cavadão, que fez um trocadilho com o nome do novo presidente da Funarte e as falas do maestro. Além de Bruno, outro roqueiro conhecido se pronunciou sobre as declarações de Mantovani. O vocalista da banda Detonautas Roque Clube, o cantor Tico Santa Cruz, também desaprovou do novo líder da Funarte.

Leoni foi outro artista que ficou indignado com as declarações de Mantovani, e classificou o atual governo de "neofascista neopentecostal neolítico", já a cantora Marília Bessy afirmou ter ficado chocada com as declarações de Dante, as vésperas de 2020.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Jair Bolsonaro Governo

O guitarrista Edgard Scandurra, artista solo e membro da banda Ira!, acredita que é lamentável ver roqueiros apoiadores do governo de Jair Bolsonaro, que estaria fazendo uma seleção criteriosa para colocar pessoas em cargos estratégicos, para incentivar sua política de entender o artista como um inimigo, afirma Scandurra.

Além de músico, Mantovani é especialista em filosofia política e jurídica e também mestre em linguística. Ele defendeu em 2013 doutorado em estudos da linguagem pela Universidade Estadual de Londrina.

Seu canal no YouTube tem quase 7 mil inscritos e atualmente é sua única rede social ativa. Seus perfis no Instagram, Facebook e Twitter foram eliminados quando seu nome foi cogitado para assumir a pasta. Além de temas mais voltados para a música erudita, ele também em seus vídeos reflete sobre aspectos culturais envolvendo a filosofia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo