As rotinas das famílias brasileiras começaram a mudar desde que a pandemia chegou no país. O avanço do coronavírus nas regiões do Brasil necessitou de medidas duras de contenção das relações entre os indivíduos da sociedade. A Organização Mundial de Saúde (OMS), solicitou que todos os países com casos confirmados de Covid-19 aderissem o isolamento social.

No Brasil, só ficaram abertos comércios de necessidades essenciais como supermercados e mercadinhos, farmácias e serviços bancários, este com quadro reduzido. Em todos os ambientes que foram permitidos ficar abertos foram destinadas medidas de prevenção.

No tocante a saúde, os únicos serviços que foram fechados diz respeitos as academias, por ter equipamentos de uso compartilhado, além de possuir um fluxo constante de usuários que possivelmente podem transmitir o vírus na hora das atividades e relações diversas.

Como o brasileiro tem procurado manter a forma?

Segundo uma reportagem feita pelo jornal Estado de Minas, o administrador de empresas, André Tixa, 42 anos, teve a grande ideia de alugar equipamentos da academia. Segundo Tixa, houve uma sensação de acuamento frente a exigência do isolamento social, mas devido as necessidades de fazer fisioterapia e pilates resolveu conversar com um amigo (dono de academia) em Santa Efigênia e lhe propôs o aluguel que ficou por R$ 100 mensais.

Mas, não foi só o André Tixa que teve essa ideia, o também, administrador de empresas de Nova Lima, José Paulo Pessoas, 41 anos, ao conversar com o primo dono de academia soube da possibilidade de alugar equipamentos e não pensou duas vezes e adquiriu os equipamentos a R$ 200 mensais na academia Sport Fit, onde já frequentava.

A criatividade, as ideias para passar por cima das barreiras já fazem parte do cotidiano do brasileiro e não seria diferente nesse momento em que o comércio está fechado e as ruas vazias devido ao coronavírus que surgiu em Wuhan, na China, e hoje se tornou um modificador de rotinas em escala global.

No Brasil, as empresas de academias junto com os usuários encontram uma forma de beneficiar a ambos, assim ainda que as portas estejam fechadas os equipamentos continuam funcionando; só que agora na casa dos clientes.

Dentre os equipamentos mais alugados estão as bicicletas ergométricas, as esteiras e os acessórios como os colchonetes, pesos e barras.

Uma saída para minimizar prejuízos

O aluguel de equipamentos acabou se tornando uma saída para o segmento ‘Fitness’. Para conter o avanço do Covid-19, foi criado um decreto que exige o fechamento das academias, diante dessa medida, o segmento perde boa parte da arrecadação normal. Porém, com o novo serviço de aluguel a tendência é que seja amenizado o máximo os prejuízos decorrentes da paralisação.

Mas, não é apenas o aluguel de equipamentos que está crescendo. Uma outra tendência que esta em ascensão são as aulas online propostas pelas academias, essa estratégia possibilita que o caixa da empresa seja mantido, de modo que, contribui para a preservação dos empregos de seus funcionários, além de manter a relevância por parte dos alunos/usuários.

Plataformas de academias com live e aulas pré-gravadas

Segundo informações da Revista Exame Abril, a companhia americana ClassPass conecta diversos alunos às academias, e conta com cerca de 2.000 aulas pré-gravadas que se encontram disponíveis para todos aqueles que se disponibilizar a acessar a plataforma. Diante das medidas de isolamento social, a ClassPlass criou uma campanha, onde os alunos além de acessar as aulas gratuitamente podem estar fazendo doações as suas academias locais.

O valor arrecado será dobrado pela plataforma, afirmou a ClassPlass.

Outras academias tem criado plataformas para que seus alunos não fiquem sem fazer os exercícios, contudo elas cobram pelo acesso.

Diversas outras tem impulsionado seus canais digitais através de aplicativos, onde os alunos podem selecionar exercícios específicos para serem feitos em casa. Dentre as que tem fornecido, inclusive, nutricionistas está a Selft, da rede de academias low cost. A Selft já conta com 4,5 milhões de acessos.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Siga a página Negócios
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!