O trabalho em casa tem sido uma alternativa para milhares de pessoas nessa época de quarentena. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o isolamento social se faz necessário para evitar que mais pessoas sejam infectadas pela Covid-19. O isolamento ou distanciamento social, denominado quarentena, é a medida mais eficiente na contenção da propagação do novo coronavírus. Durante a quarentena as pessoas passam mais tempo em casa, saindo apenas para realizar tarefas de extrema necessidade.

Aos trabalhadores que exercem atividades essenciais sua rotina e sua renda não foram prejudicados. Mas há um grupo expressivo de pessoas, como os informais, autônomos, microempreendedores individuais, etc, que ou tiveram sua renda diminuída, ou ficaram totalmente sem renda.

Felizmente para a maioria destes, quer recebam ou não o Auxilio Emergencial provido pelo governo federal, a tecnologia pode ajudar, e muito, na obtenção de renda extra durante a quarentena.

O isolamento social propõe uma mudança no comportamento das pessoas, quanto aos hábitos de consumo, estudo e trabalho. E alguns segmentos do comércio, indústria e serviços permitem iniciar um negócio em casa com baixo investimento. Empreendedores que investiam apenas em lojas físicas ou direcionavam menor percentual de investimento aos Negócios on-line, precisam agora se adequar à nova realidade.

Segundo Fernanda Bueno, consultora do Sebrae–SP, há uma evidente mudança no mercado por causa da pandemia do novo coronavírus, e que a mudança é constante, porém há espaço para todos.

Veja abaixo 4 oportunidades de para começar ou aprimorar o seu trabalho em casa:

Alimentação, primeira opção para trabalho em casa

A alimentação fora de casa sempre foi muito procurada, principalmente nos grandes centros urbanos. Com as medidas de isolamento social, sair de casa para ir ao restaurante ou a lanchonete está fora de contexto, por isso há duas alternativas para trabalho em casa: ou preparar o próprio alimento, ou recorrer ao delivery.

Os restaurantes que já ofereciam o serviço de entrega em domicílio tiveram que aumentar a oferta para poder atender à crescente procura pelo serviço. Em alguns casos empreendedores tiveram que contratar mais entregadores para suprir a demanda.

Não é hora de fazer experiências. O empreendedor deve focar na sua especialidade, sejam refeições para o dia a dia, como marmitas (a popular quentinha), bolos, doces ou salgados, para as mais diversas ocasiões.

Quando o cliente vai ao restaurante que tem boa comida e bom atendimento, ele provavelmente retorna. No caso do delivery a proposta deve ser a mesma.

Dica: As redes sociais geralmente são usadas para divulgar os produtos e serviços de delivery, mas podem ser usadas também para publicar vídeos ou fotos de como os alimentos são armazenados, preparados e embalados. O propósito é sempre passar ao cliente a confiança necessária. É importante mostrar para ele que as normas de segurança e higiene estão sendo preservadas.

Artesanato e utensílios também podem entrar como alternativa de trabalho em casa

O que a princípio era apenas um hobby ou passatempo, como confeccionar, bordar, tricotar, costurar, pintar, ou produzir os mais diversos utensílios domésticos, ou peças de artesanato, agora pode vir a ser uma profissão.

Os brasileiros têm o hábito de comprar tanto para si, quanto para presentear. Segundo a consultora, é recomendável começar divulgando entre os familiares, vizinhos, moradores do bairro ou do condomínio, fazendo as entregas em casa, sob encomenda.

O passo seguinte, conforme a demanda vai aumentando, será recorrer ao marketplace para atender clientes de outros bairros ou até mesmo de outras cidades. WhatsApp, Facebook e Instagram são exemplos de redes sociais que podem ser muito úteis na divulgação dos produtos. Além do custo que é muito acessível, oferecem a oportunidade de impulsionar vendas e alcançar clientes que a mídia tradicional (mais cara) dificilmente conseguiria.

Dica: A produção de máscaras também ajuda empreendedores a complementar a renda durante a quarentena.

Mas é sensato lembrar que a sua produção deve seguir as normas técnicas já estabelecidas pelos órgãos competentes. É válido copiar modelos populares já disponíveis no mercado (desde que não sejam patenteados).

Cursos e conteúdos online, também é uma boa dica para trabalho em casa

A recomendação é ficar em casa, por isso há muitas pessoas ociosas e entre elas, algumas têm muito pra ensinar enquanto outras têm muito que aprender. É a oportunidade para aqueles de tem habilidades que podem ser ensinadas on-line, como idiomas, instrumentos musicais, educação física, gastronomia, artes, aulas de reforço como matemática ou geografia, enfim existe um leque gigante de produtos e serviços que podem ser oferecidos e pode ser mais uma boa alternativa de trabalho em casa.

As aulas podem ser disponibilizadas por vídeochamada (ao vivo) ou gravadas em forma de curso. Uma boa opção para o empreendedor que pretender lecionar on-line é o canal YouTube. Além da plataforma, existem uma infinidade de ferramentas de produção, edição, divulgação e acompanhamento de conteúdos on-line, e muitas delas são gratuitas e muito eficientes.

Dica: Uma alternativa muito atraente para aqueles que dominam serviços administrativos e remotos como: digitação, edição de textos e de vídeos, tradução, produção de artigos para sites e blogs, transcrição de áudios, webdesign, engenharia das mais diversas, consultoria, etc, são os marketplaces que oferecem jobs para Freelancers. O empreendedor só precisa de um computador ou notebook conectado à internet e credenciar-se junto a uma das marketplaces disponíveis no mercado, que podem ser facilmente encontradas com uma simples busca na internet.

Vendas é uma das mais procuradas alternativas para trabalho em casa

Algumas lojas físicas que tiveram que fechar suas portas por causa do isolamento social, seguiram a tendência e agora atendem por meio das redes sociais. Apesar de existir atualmente ferramentas digitais que agilizam e facilitam a criação de uma loja on-line, por conta da praticidade o recurso mais utilizado pelos vendedores é sem dúvida o WhatsApp.

Mas isso não significa que o empreendedor esteja limitado a vender apenas os produtos de sua marca própria, pode sim vender produtos de outras marcas e empresas dos mais diversos ramos de atividade. Segundo a consultora, Microempreendedores Individuais (MEI), podem se cadastrar como revendedores de redes especializadas em roupas, joias, comésticos, eletrônicos, roupas íntimas, etc.

Algumas marcas exigem um investimento inicial por parte do revendedor, como as franquias, por exemplo, porém há casos em que a parceria pode ser firmada sem custo inicial.

Dica: Há empresas que oferecem aos empreendedores, sejam Pessoas Físicas ou Jurídicas, além da plataforma on-line, catálogo de produtos, logística, e até publicidade. Um bom exemplo é a Magazine Luiza, através do projeto Parceiro Magalu, onde o interessado faz o seu cadastro como revendedor no site e recebe além de uma loja on-line personalizada, todo o suporte e ferramentas necessárias para desenvolver sua atividade e realizar seu trabalho em casa. Vale a pena conferir.

Nota: Mesmo trabalhando em casa, o empreendedor deve seguir rigorosamente as orientações das autoridades competentes quanto ao respeito à quarentena e demais critérios relacionados ao Covid-19.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Vagas
Seguir
Siga a página Negócios
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!