Ex-todo poderoso de Hollywood, o produtor Harvey Weinstein teve reveladas suas experiências com mulheres da indústria cinematográfica americana durante o processo judicial em que está sendo julgado. Até o momento o que se sabe é que ele foi considerado culpado por cometer ato sexual criminoso com uma mulher, e ainda existem outras centenas de acusações contra ele de abuso e assédio.

Segundo informações do site Observatório do Cinema, as provas relacionadas ao caso ainda estão sendo apuradas e acabou de aparecer uma troca de emails que colocam o nome da atriz Jennifer Aniston no caso.

Para entender como a eterna Rachel do seriado "Friends" está envolvida com Harvey Weinstein, é preciso voltar a 2005, naquele ano, o National Enquirer tinha planos de publicar uma matéria que alegava que Weinstein havia assediado sexualmente Aniston.

'Assassinada'

Sallie Hofmeister era a executiva sênior da Sitrick na ocasião. Hofmeister enviou para o produtor um email pedindo informações sobre a história do National Enquirer, Weinstein respondeu que a atriz de "Friends" "deveria ser morta".

Mesmo que o comentário possa parecer pouco relevante, ele é um bom indicativo para entender um pouco do que se passava na mente do produtor em 2005 e como ele tratava as atrizes famosas que ele tinha contato diariamente.

O artigo acabou não sendo publicado e Jennifer Aniston também não acusou Harvey Weinstein de nenhum tipo de assédio ou agressão sexual.

A revelação sobre a existência desses emails foi feita pelo site Page Six nesta terça-feira (10), apesar de as mensagens eletrônicas datarem do ano de 2005, elas foram incluídas em um conjunto de documentos que se tornaram públicos após Harvey Weinstein ter sido considerado culpado no seu processo judicial recente.

Ainda nesta semana, os advogados de Weinstein apelaram ao juiz do caso do empresário que considere as circunstâncias de vida do ex-produtor antes de chegar a uma decisão final. Se condenado, Weinstein poderá pegar até 29 anos na cadeia, segundo o TMZ.

Jennifer Aniston por muito tempo evitou falar sobre o caso de Harvey Weinstein, porém, no inicio do movimento #MeToo, ela falou sobre sua experiência com ele.

A atriz declarou à Variety que ele insistiu para que ela usasse um vestido da marca Marchesa, de propriedade de sua ex-esposa, em um evento.

O evento em questão fazia parte da turnê do filme "Fora de Rumo", a produção tinha ainda no elenco Clive Owen, e era da companhia de Weinstein, isto ocorreu também em 2005. No final das contas, a atriz fez valer sua vontade e não usou o vestido da marca da agora ex-esposa de Weinstein, esta foi a única vez que Aniston acusou ele de ter praticado qualquer tipo de bullying.

Marchesa

A marca é comandada por Georgina Chapman, que foi casada com o ex-produtor de Hollywood. Segundo informações do site Observatório do Cinema, outros relatos apontam que Weinstein fazia pressão para que as atrizes usassem a marca de Georgiana como a favorita no tapete vermelho do Oscar.

Felicity Huffman, entre outras estrelas, confirmaram que só usavam esta marca por causa da pressão exercida pelo produtor.