Um forte #Terremoto abalou o Chile às 19h54 da noite desta quarta-feira, 16 de setembro. Seu epicentro foi no mar, a aproximadamente 243 km de Santiago e a pouco mais de 10 km da costa. A magnitude do terremoto, ainda não oficial, seria de 8,3 graus na Escala Richter segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos. Outros pequenos terremotos teriam ocorrido logo na sequência.

Ainda não há informações oficiais sobre mortos ou feridos, nem sobre o tamanho dos estragos causados, porém fontes não oficiais afirmam que pelo menos uma pessoa morreu, e várias ficaram feridas. As autoridades da região emitiram um alerta de Tsunami para toda a região costeira do país, e determinaram também a evacuação destes locais de maneira preventiva.

Publicidade
Publicidade

O Peru, país vizinho, também emitiu alertas de Tsunami e várias cidades Argentinas também puderam sentir a força da natureza agindo através de pequenos abalos sísmicos .

Algumas regiões da cidade de Santiago, capital federal do Chile, tiveram até mesmo o corte na energia elétrica, de maneira preventiva, porém o transporte coletivo continuou funcionando normalmente. Relatos dizem que na capital, a população manteve a calma e seguiu as recomendações do governo. Os tremores logo viraram notícia na mídia mundial.

Tremores puderam ser sentidos no Brasil

No Brasil, os tremores puderam ser sentidos nos prédios mais altos da Avenida Paulista, na cidade de São Paulo. Moradores de São José dos Campos e Taubaté, também no estado de São Paulo, relataram ao Corpo de Bombeiros ter sentido os tremores e até mesmo algumas rachaduras que apareceram em prédios após o abalo.

Publicidade

O Corpo de Bombeiros registrou no Twitter as ligações sobre o terremoto: "Tremor de terra no Chile. Reflexos em SP recebemos cerca de 50 chamados da Paulista, Vila Mariana, Tatuapé, Guarulhos e Osasco". Logo em seguida, também através da rede social anunciaram que não havia motivo para pânico: "As ligações ao 193 foram preocupações nos procedimentos pós tremor. Não há razão para alarde não tivemos acionamentos e situações de risco." #Blasting News Brasil #É Manchete!