Rosie é um robô criado por oito amigos da área de TI do Congresso. O objetivo do software é buscar ações fraudulentas em prestações de contas de Deputados. Como trata-se de pequenas contas, sempre passam imunes à fiscalização. "Nada passa aos olhos de Rosie", dizem os criadores. A ferramenta cruza dados da Receita Federal, a presença na bancada, localização dos parlamentares e as características e preços do lugar frequentado para consumo. Uma possível evolução da ferramenta, seria sua utilização no combate a sonegação do Imposto de Renda.

Ela já descobriu mais de 3500 casos suspeitos envolvendo as cotas de despesas parlamentares num montante de quase R$ 380mil em apenas uma semana.

Publicidade
Publicidade

Os casos são os mais absurdos.

Relatam que o caso mais emblemático foi de um deputado que apresentou nota de R$ 170 em um restaurante onde o Kg da comida custa R$ 170. A refeição teria pesado 12 Kg. Outro absurdo, um deputado pediu R$ 41 de devolução de um almoço em São Paulo 40 minutos depois de ter discursado em Brasília. Foram 216 deputados mentindo em suas prestações de contas em 629 casos com R$ 380 mil de #fraude. E tudo isso em uma semana e com dinheiro público!

O projeto apelidado de Rosie, na verdade, tem um nome oficial Operação Serenata de Amor.

Se na Suíça uma Ministra caiu por comprar um Toblerone com dinheiro público, o que seria o congresso brasileiro? Explica o gestor da ferramenta que o objetivo não é fazer da vida do Deputado um BBB, onde ele come e o que ele come. E sim se a verba está sendo realmente destinada para o fim que ela se propõe.

Publicidade

Por orientação jurídica, nomes de deputados só são divulgados após terem tido retorno da Câmara sobre o mau uso.

Conheça alguns deles que já devolveram o dinheiro

Odelmo Leão (PP-MG), eleito prefeito da cidade mineira de Uberlândia. Ele gastou R$ 190 para enviar correspondência de campanha.

Marco Maia (PT-RS) solicitou R$ 154,50 por duas refeições no mesmo dia e devolveu R$ 77,25. O almoço só pode ser pago para o parlamentar e nunca para um acompanhante,

Vitor Lippi (PSDB-SP) solicitou reembolso de R$ 135,15 para compra de 05 cervejas em viagem à Califórnia. Ele pediu desculpas pelo ocorrido e devolveu o dinheiro. Bebidas alcoólicas não podem fazer parte do cardápio pago pelo dinheiro público.

Rocha (PSDB-AC) apresentou 3 notas de refeição do mesmo dia. Duas de R$ 52 e R$ 43, emitidas em Rio Branco, no Acre. A outra, de R$ 148, em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.

Financiamento para Rosie

Graças a um financiamento coletivo a ferramenta conseguiu ser implementada. Foram R$ 80 mil que garantem operação até fevereiro. Os idealizadores precisam de material humano e dinheiro para não deixar parar a ação. #robo #Política