Prosopis juliflora é uma árvore, da família Fabaceae, vulgarmente conhecida no Brasil como Algaroba. Está espécie de planta é Nativa do México e Caribe e se tornou invasora em vários continentes, como: África, Ásia, Oceania e América do Sul, onde ocupa densas áreas, muitas delas de elevado interesse ambiental e ecológico como as Matas Ciliares. Estima-se que a zona ocupada por esta espécie tenha triplicado de tamanho nos últimos 5 anos.

A Algaroba cresce em média 12 metros de altura e apresenta tronco com diâmetro de 1,2 m. Ela tem folhas caducifólias, bi-pinadas compostas de 12 a 20 folíolos e de coloração verde claro. As inflorescências são hastes longas (5 a 10 cm de comprimento), de formato cilíndrico, coloração verde e amarelo e ocorrem em grupos de 2 a 5 nas extremidades dos ramos. Vagens com 30 cm de comprimento. Cada vagem contém entre 10 e 30 sementes.

Uma árvore madura pode produzir mais de 1000 sementes por floração. As sementes são o principal meio de propagação da invasora (considerado por muitos pesquisadores como o principal problema para o controle de maciços populacionais da espécie). O principal disseminador são rebanhos e outros animais que se alimentam de suas vagens. Possui raízes profundas, elevado consumo hídrico e produção de espinhos em seus nós.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Natureza

Devido aos seus diversos usos P. juliflora foi empregada durante as décadas de 60 e 70 em vários países como uma "falsa salvadora", tornando-se invasora alguns anos após a sua introdução. É considerada uma ameaça em potencial para o ambiente e economia dos seguintes países: África do Sul, Austrália, Etiópia, Havaí, Índia, Jamaica, Nigéria, Oriente Médio, Sudão Senegal, Somália, Sri Lanka e Sudão.

Ela também é uma das principais plantas exóticas invasoras no sudoeste dos Estados Unidos e nordeste do Brasil.

A planta apresenta controle difícil e dispendioso, uma vez que a espécie pode regenerar a partir das raízes. Ela coloniza extensas áreas e provoca impactos ambientais graves nos ecossistemas onde ela se encontra. Em função do seu hábito de crescimento agressivo, forma densas populações, que impedem a movimentação da fauna, sobretudo, no que se refere ao acesso a fontes hídricas, como rios, córregos e mananciais.

Ela também altera os cursos de água, e reduz o nível do lençol freático, em função da sua elevada demanda hídrica.

Atualmente centros de pesquisa de diversas Universidades se preocupam em delimitar estratégias para o seu controle, através de medidas físicas, químicas e também biológicas. Contudo, ainda não há nenhum resultado conclusivo e de pronto uso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo