Uma equipe de cientistas europeus revelou um modelo científico surpreendente, apontando que muito provavelmente a Terra está prestes a entrar em uma pequena era glacial, a começar na década de 2030-2040.

O Sol é a principal força motriz por trás das dinâmicas climáticas - não só da Terra, mas de todos os planetas que compõem o Sistema Solar. Acontece que existem variações na intensidade com que o Sol pode afetar o clima, já que apresenta ciclos de máxima e mínima atividade, que podem ser evidenciados devido a quantidade de manchas solares que surgem na superfície estelar.

Como o próprio nome já diz, essas variações são conhecidas como Ciclos Solares, e duram aproximadamente 11 anos, em média. Atualmente, a Terra está no Ciclo 24, assim denominado por ser a vigésima quarta vez em que a humanidade presencia este fenômeno, desde que seus registros começaram.

O que chama a atenção no ciclo atual é que o Sol está apresentando uma atividade muito abaixo do que foi constatada nos ciclos anteriores, e a previsão é de que continue a diminuir, em até 60% do que está nos níveis atuais, quando chegar ao Ciclo 26.

E isso refletiria diretamente no clima terrestre, na forma de uma pequena era glacial.

Este modelo climático vai de encontro com o que ativistas ambientais vêm afirmando, de que o planeta está cada vez mais quente, e que as calotas polares estejam derretendo irremediavelmente.

Resfriamento global

O novo e interessante modelo climático foi apresentado na reunião anual da British Royal Astronomical Society, no Reino Unido, onde a professora da Universidade de Northumbria, Valentina Zharkova, afirmou que um ciclo solar tão fraco quanto o atual não é presenciado desde o século XVII, e que o modelo apresentado pelo time de cientistas possui uma precisão de 97%.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Natureza

De fato, entre os anos de 1645 e 1715, as temperaturas globais caíram tanto devido à baixa atividade solar, que o planeta todo experimentou um resfriamento. Este período ficou conhecido como Mínimo de Maunder, onde o rio Tamisa, em Londres, por exemplo, ficou completamente congelado.

A professora Valentina não é a primeira a divulgar a teoria. Em 2007, o astrofísico russo Habibullo Abdussamatov alertou que havia encontrado evidências de que não só a Terra havia experimentado um aquecimento atmosférico durante o século XX, já que o planeta Marte havia sofrido fenômeno semelhante, por influência direta dos ciclos solares.

O cientista previu também que haveria uma diminuição significativa da atividade solar nas décadas seguintes, e, consequente, resfriamento global. Na visão de Abdussamatov, o aquecimento global é um fenômeno natural, diretamente influenciado pelo Sol.

Recentemente, um novo estudo divulgado pela NASA parece corroborar esta teoria do resfriamento global, pois afirma que, ao invés de diminuir, a área de cobertura de neve do Polo Sul está aumentando.

No período analisado, de 1992 a 2008, segundo dados de satélite, a camada de gelo da Antártida ganhou massa a uma taxa de 200 bilhões de toneladas de gelo por ano, enquanto perdeu somente cerca de 65 bilhões de toneladas de massa no mesmo período, devido a variações de temperatura.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo