O desaparecimento de uma brasileira de 31 anos, que não dá notícias sobre seu paradeiro há quase dois meses, intriga seus familiares em Curitiba, no Paraná. Rosiney Trindade de Oliveira foi para Portugal em outubro passado e desde 14 de novembro não dá sinais de vida. A última notícia que se tem é que ela estava hospedada no alojamento de um restaurante na Vila de Condeixa-a-Nova, região de Coimbra.

Apesar de ter passado todo esse tempo desde o desaparecimento, o caso só ganhou notoriedade nesta semana, depois que a empresária brasileira, Larissa Ventura, de 27 anos, reportou às autoridades locais o sumiço da compatriota, após ver uma postagem nas redes sociais de parentes de Rosiney pedindo ajuda. O Itamaraty ainda não se pronunciou sobre o caso.

Publicidade

Suspeita de exploração sexual

José Correia, dono do estabelecimento onde a brasileira foi vista pela última vez, disse que ela se interessou por uma vaga de trabalho e que foi buscá-la em Lisboa para mostrar como era o trabalho, mas ao encontrá-la notou que ela estava desnutrida e aparentemente há vários dias sem comer. Segundo ele, Rosiney também demostrava ter problemas com bebidas alcoólicas. “Quando a encontrei, estava completamente desnutrida”, disse o proprietário do restaurante Restinova.

“No início pensei que fosse droga, mas ela tinha um problema muito grave com álcool”, seguiu o empresário português. Ele acredita que a brasileira esteja viajando para a Itália ou Espanha e também revelou que ela deixou pertences para trás, mas levou os documentos.

O empresário reforçou ainda que a brasileira, mesmo tendo sido oferecido um alojamento para ficar, preferiu ir embora e que sua última mensagem foi para uma amiga, quando disse que estava bem.

A versão de que a brasileira tinha problemas com bebidas foi veementemente rebatida pelos familiares, que alegaram que Rosiney nunca consumiu álcool de forma exagerada e que era uma pessoa responsável e focada no trabalho, não tendo o comportamento descrito por José.

Publicidade

“Rosiney falava que estava muito feliz e mandava foto dela nos lugares onde passava”, disse uma sobrinha da brasileira desaparecida.

Já Larissa entendeu que o dono do restaurante quis passar uma imagem negativa da brasileira, a associando com problemas de alcoolismo. Ela acredita que a Rosiney tenha sido vítima de uma rede de prostituição. Sua suspeita se baseia em uma denúncia anônima que recebeu de outra brasileira, a qual apontou o restaurante como sendo na verdade um ponto para levar acompanhantes.