A violência doméstica é um dos grandes problemas da sociedade atual. A cada semana, novas mulheres ganham as manchetes de jornais e sites acusando seus parceiros de agressão. De acordo com pesquisa divulgada pela Universidade de São Paulo, 12 mil mulheres são agredidas diariamente no Brasil.

A mais nova vítima dessa triste realidade brasileira é Thais Christini Cardoso de França Felippe. O suspeito da agressão é o empresário Fábio Tuffy Felippe, de 44 anos.

Publicidade
Publicidade

Ele é filho do presidente da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, Jorge Felippe (MDB).

O homem teria agredido a esposa no dia 21 de dezembro. Nesta semana, foi feito o pedido de prisão preventiva porque ele foi acusado de ameaçar de morte parentes da vítima. Uma juíza negou o pedido e impediu a Polícia de prendê-lo.

Na noite desta quinta-feira (3), a polícia conseguiu autorização para prender o empresário. Na manhã desta sexta-feira, ele se entregou à polícia, por volta das 10h20.

Pouco depois das 11h, Cristiane Carvalho de Almeida, delegada titular da Deam Oeste afirmou que as primeiras informações recebidas pela polícia apontavam que Fábio não iria se entregar.

A polícia já tinha ido à casa dele e não encontrou ninguém. Os policiais foram avisados de que o empresário não ia ao local desde o dia 25 de dezembro. O filho do presidente da Câmara do Rio é acusado de agredir a esposa com socos e causar diversos ferimentos nela. A prisão preventiva tem prazo de 30 dias e pode ser prorrogada por um tempo. Thais segue em estado de choque por conta da violência sofrida.

Publicidade

Rosto desfigurado

A imagem do rosto de Thais depois das agressões é impressionante. Os dois olhos estão roxos e inchados. O olho direito tem ainda alguns machucados. O nariz também está bastante inchado, assim como a maçã do rosto. A comparação da foto após as agressões com a foto depois das agressões torna a violência ainda mais impressionante.

Uma outra foto mostra o rosto da Mulher agredida por outro ângulo e tornam ainda mais impressionantes as agressões sofridas.

A mulher não revelou se essa foi a primeira vez que houve agressão ou se isso já era constante no relacionamento. De qualquer forma, toda mulher agredida pelo marido pode e deve procurar ajuda das autoridades.

Os telefones 190, da Polícia Militar, e o 180, Disque-Denúncia, podem ser utilizados para denunciar casos de agressão. A ligação pode ser feita pela vítima ou por pessoas próximas, como amigos, vizinhos e familiares.

Leia tudo