Na última quarta-feira, dia 20 de março, a empresária Ana Lúcia Villela doou cerca de US$ 28 milhões (algo em torno de R$ 109,4 milhões) ao Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), uma das mais respeitadas universidades do mundo, com o objetivo de desenvolver pesquisas voltadas para a Síndrome de Down.

Ana Lúcia é acionista do Itaú e sempre esteve ligada a causas de impacto social, sendo fundadora do Instituto Alana, que visa o desenvolvimento saudável de crianças.

Publicidade
Publicidade

Além disso, Villela é sócia de uma produtora que busca discutir problemas sociais e ambientais, a Maria Farinha Filmes. Na área da Síndrome de Down, entretanto, o interesse da empresária é de cunho pessoal: há 6 anos, ocasião do nascimento de sua filha, Ísis, a garotinha foi diagnosticada com a trissomia do cromossomo 21, causadora da síndrome em questão. Isso se deu apenas dez dias após o nascimento de Ísis.

Publicidade

Motivos para a doação

Marcos Nisti, CEO do Instituto Alana e marido de Ana Lúcia Villala relata que, logo após o recebimento da notícia, começou a pensar a respeito do incentivo à pesquisa. Desse modo, a doação ao MIT foi pensada para dar tranquilidade aos pesquisadores que buscam investigá-la. A escolha da universidade não se deu por acaso: além de ser vista como uma das melhores instituições do mundo, o MIT tem um enfoque multidisciplinar, o que significa que tal instituição se baseia na troca de conhecimentos entre variadas áreas do conhecimento em suas pesquisas, o que pode ser benéfico na questão específica da Síndrome de Down.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Saúde

Villela também disse que o Instituto de Tecnologia de Massachusetts possui pesquisas bastante avançadas em relação a deficiência física além de laboratórios modernos voltados para esses fins. No presente momento, a universidade em questão busca ainda ampliar os conhecimentos acerca de deficiências de cunho intelectual, especialmente no que se refere à Sindrome de Down e ao Alzheimer.

O dinheiro doado pela empresária possibilitará a criação do Alana Down Syndrome Center, cujo foco será a reunião de diversos profissionais, de áreas do conhecimento variadas e múltiplas, para o aprofundamento das pesquisas a respeito da Síndrome de Down.

A equipe integrante do Alana Down Syndrome Center será liderada por duas cientistas: Angelika Amon, especializada em instabilidade cromossômica; e Li-Huei Tsai, que estuda doenças degenerativas.

Recentemente, Marcos e Ana Lúcia foram aos Estados Unidos para tornar a doação oficial, acompanhados das duas filhas, a mais velha, Nina, de 10 anos e a mais nova Ísis, de 6 anos. Eles visitaram as instalações do MIT e conheceram um pouco mais a respeito do instituto na ocasião da visita.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo