Na manhã da última quarta-feira (20), uma recém-nascida foi encontrada morta, enterrada no quintal de sua residência localizada na zona rural de Camocim. Buriti, local do ocorrido, fica cerca de 350 quilômetros de distância da capital cearense.

A bebê que teria sido enterrada por sua própria mãe tinha acabado de nascer. Foi constatado pela Perícia que a causa da morte foi asfixia, ou seja, a criança foi enterrada com vida, o que confirmou as suspeitas policiais.

Antônio Veras, auxiliar de perícia, revelou que foi encontrado na traqueia da criança certa quantidade de areia, o que confirmou a morte por asfixia. Depois de ter ido a óbito, a criança teve suas víceras comidas por animais. De acordo com o auxiliar de perícia da ‘Pefoce’ (Perícia Forense), quando a criança foi encontrada já não tinha mais pulmões e nem mesmo o coração.

Quem teria chamado à Polícia foi o próprio irmão da jovem, logo após encontra-la suja de sangue. Ao seguir os rastros deixados pela autora, chegou até a criança que estava rodeada por um porco e um cachorro.

Como aconteceu

A responsável por ter enterrado a bebê informou que estava tentando manter escondida sua gravidez, já estava quase com os nove meses de completos e resolveu tomar chá de boldo com o intuito de abortar a criança. Assim que percebeu que ia ter a criança foi para o fundo do quintal da residência onde mora que, por se tratar de propriedade localizada na zona rural, o espaço seria grande.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

E foi no fim do quintal que ela deu à luz ao bebê. De acordo com a autora do crime, ela não tinha a intenção de enterrar sua própria filha ainda com vida. Segundo ela, ao nascer a criança teria chorado um pouco e logo em seguida parou, o que a fez acreditar que ela teria morrido, motivo pelo qual a teria enterrado.

O caso foi recebido pelo delegado plantonista de Jericoacoara, já que o ocorrido foi durante a madrugada.

Porém, o delegado regional de Camocim buscou o processo e a autora, que se encontrava presa, para que desse prosseguimento do caso na cidade Camocim.

O inquérito está em andamento até o presente momento. Agora, a Polícia Civil tomará conta do caso. Serão feitas algumas diligências de praxe para finalizar o inquérito e, só então, será remetido ao Ministério Público com o parecer do delegado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo