Uma norma estabelecida em uma Escola estadual de Sorocaba, no interior de São Paulo, provocou indignação de pais e alunos. De acordo com uma determinação da Escola Estadual Professor Wilson Ramos Brandão, no Jardim Ouro Fino, os estudantes estão proibidos de entrarem no prédio usando bonés e capuzes. Até aí, nada de anormal, porém o que chama a atenção é que também está vetado o uso de mochilas.

De acordo com informações passadas pela escola, a “medida protetiva”, como está sendo chamada, foi decidida em reunião do conselho, realizada na última segunda-feira (18).

Publicidade

Segundo informações passadas pelos pais, os alunos estão sendo orientados a carregar seu material escolar na mão ou no máximo em uma sacola plástica. Do contrário, o aluno ficará impedido de entrar para assistir as aulas.

“A orientação foi que usasse apenas um caderno ou que levasse o material em uma 'sacolinha'”, disse o pai de uma aluna ao questionar como a filha levaria seu material sem poder usar mochila. O pai decidiu então fazer contato com a Secretaria de Educação, que informou que a escola não poderia tomar tal medida.

A medida foi tomada após um estudante de 15 anos ter sido flagrado na semana passada na escola com uma réplica de arma de fogo. A Polícia foi avisada e apreendeu o objeto.

Vai rever o tom do cartaz

O portal G1 entrou em contato com a Secretaria de Educação do Estado. A pasta informou que irá pedir para que o tom do cartaz seja reavaliado, uma vez que pode passar uma impressão equivocada para quem não está ciente da medida.

Já Marco Aurélio Bugmi, dirigente regional de ensino, diz que é apenas uma orientação e que alunos não estão sendo proibidos de assistirem aula. Ele diz ainda que nesta sexta-feira (22) será feita uma nova reunião com os pais para fazer uma reavaliação da medida.

Publicidade

SESI suspendeu aulas por conta de ameaças

Também em Sorocaba, uma unidade do SESI suspendeu as aulas na última segunda-feira (18) por conta de mensagens ameaçadoras postadas nas redes sociais no final de semana que diziam que o local sofreria um ataque semelhante ao ocorrido dias antes em Suzano, na Grande SP.

A polícia foi avisada e, após investigação, chegou até um adolescente de 14 anos, que seria o autor das postagens. A polícia fez buscas na casa do jovem e nenhum artefato foi encontrado, mas foram apreendidos o aparelho celular e o computador do suspeito.

Por conta das ameaças, quase 2 mil alunos de 15 turmas não puderam assistir as aulas.