O pintor Edmilson Alves de Oliveira, de 55 anos, foi morto nesta última segunda-feira (11) por dois cães da raça pit bull que ele criava em casa, no bairro Barra Vento, em Goiânia.

De acordo com informações do portal G1, ele estava fechando o portão de casa quando foi atacado pelos animais. Os Pit Bulls começaram a atacá-lo e não o soltaram mais. A esposa e o enteado tentaram afastar os animais para longe de Edmilson, porém não tiveram sucesso.

Terezinha Maria de Oliveira, de 66 anos, esposa da vítima, contou que escutou os gritos de socorro do seu marido. Foi então que ela se dirigiu ao quintal e percebeu que ele estava sendo atacado pelos animais.

Terezinha ficou completamente desesperada, pois os cães não soltavam Alves de forma alguma.

O marido dela pedia por socorro, clamava para que a esposa o ajudasse. Diante dos gritos desesperados, Danilo Martins de Oliveira, filho de Terezinha, que mora na casa ao lado e é enteado de Edmilson, pulou o muro e foi ver o que estava acontecendo com o casal.

Chegando lá ele se deparou com a terrível cena em que seu padrasto estava sendo morto pelos animais. O jovem pegou uma barra de concreto e começou a atacar os animais, porém os cachorros continuavam mordendo o padrasto de forma fixa e continua. Mesmo quando o enteado batia nos cães, eles não soltavam Edmilson.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e Edmilson foi socorrido. Entretanto, o pintor acabou falecendo antes mesmo se conseguir chegar a uma Unidade de Saúde.

Criação dócil

O G1 informou que parentes do casal exibiram vídeos em que era possível ver o casal sendo amável com os cães. Entretanto, informaram que os animais estavam apresentando comportamento agressivo nos últimos tempos. Os parentes afirmaram que há cerca de um mês o casal teria sacrificado o terceiro cão da família.

Os cães serão colocados em observação

Spike, de 4 anos, e Lessie, de 10, serão levados para o Centro de Zoonoses e permanecerão em observação por um período de aproximadamente 90 dias. Por causa desse incidente se fez necessário submeter os animais a uma avaliação de comportamento.

O veterinário Bruno Sérgio Silva explicou que durante a avaliação é utilizado uma técnica para fazer um acompanhamento veterinário.

Através desse acompanhamento os profissionais podem identificar o nível de agressividade dos cães. Como os mesmos estão se mostrando extremamente agressivos, é muito improvável que eles voltem a socializar e por esse motivo também não poderão ser doados. O veterinário ainda explicou que existe a possibilidade que ao passar os noventa dias, os cães possam ser submetidos a eutanásia.

Não perca a nossa página no Facebook!