Autoridades chilenas investigam a morte da brasileira [VIDEO] Giovanna Elias Bardi, de 35 anos, encontrada morta no último sábado (6), em um quarto de hotel em Santiago. Ela viajava ao Chile sozinha e as causas da morte ainda são desconhecidas. A tradutora morava em Sorocaba, no interior de São Paulo, e havia programado uma viagem de quatro dias ao país sul-americano. Era a primeira vez que ela viajava ao exterior desacompanhada e seu último contato foi feito na quinta-feira (4).

O retorno para o Brasil deveria ter ocorrido na sexta-feira (5).

Como não atendia as chamadas e não respondia as mensagens, os familiares e o namorado ficaram preocupados e decidiram entrar em contato com o hotel onde ela havia ficado hospedada para tentar alguma informação. Ao entrarem no quarto, os funcionários do hotel encontraram a brasileira sem vida.

De acordo com informações passadas pela mãe de Giovanna, a tradutora não tinha problemas de saúde.

Em entrevista concedida ao portal G1, o namorado da brasileira, Leandro Bonello, o quarto onde a tradutora estava não era aquecido por gás e sim por ar-condicionado. "Começamos a ficar preocupados porque ela não respondia as mensagens", disse o rapaz de 33 anos.

Leandro, que chegou ao Chile nesta segunda-feira (8) junto com a sogra, também revelou que na porta do quarto da brasileira havia uma placa escrito "não perturbe".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Objetos da tradutora que estavam no quarto passarão por perícia. A TV Globo entrou em contato com a companhia de gás de Santiago, que disse não ter relatado nenhuma ocorrência no hotel onde a brasileira morreu.

O Consulado-Geral do Brasil emitiu uma nota onde afirmou que está acompanhado o caso. Ainda não há previsão de quando o corpo da brasileira será liberado. Também não há previsão de quando ocorrerá o velório e o enterro.

Em maio, família inteira morreu no Chile

Este não é o primeiro caso de turistas brasileiros que morrem em viagem ao Chile nos últimos meses. Em maio passado, uma família inteira morreu em Santiago e suspeita-se que a causa tenha sido um vazamento de gás ocorrido no apartamento que eles haviam alugado para passar o final de semana. O grupo formado por seis pessoas, entre 41 e 13 anos, sendo dois casais e dois adolescentes, havia viajado para a capital chilena para celebrar um aniversário.

No mês passado, duas crianças brasileiras foram atingidas por fragmentos de uma rocha que se desprendeu de uma montanha e também morreram. Khálida Trabulsi Lisboa, de 3 anos, e Isadora Bringel, de 7 anos, passeavam com suas famílias perto da barragem de El Yeso, na Cordilheira dos Andres, quando uma rocha se desprendeu e os pedaços atingiram os turistas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo