Uma sindicância foi aberta pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) e irá apurar o caso de um médico que atendeu pacientes após supostamente ter ingerido bebida alcoólica em uma unidade de pronto-atendimento da cidade de Mairinque, região de Sorocaba, no interior de São Paulo. A investigação ocorrerá sob prazo e sigilo estabelecido por lei.

Na semana passada, após ter recebido uma denúncia de uma paciente, o vereador Rafael da Hípica, usando seu aparelho celular, gravou o atendimento feito pelo médico.

Nas imagens, o médico gagueja e apresenta dificuldades em amarrar os sapatos. Ele ainda justifica a sonolência afirmando que havia feito uso de calmantes. O vereador o questiona sobre o cheiro e o médico acaba admitindo que havia ingerido bebida alcoólica.

A Guarda Municipal chegou a ser chamada, mas quando os agentes chegaram a Pronto-Atendimento, o médico já havia deixado o local e não voltou mais.

Ele teria atendido dois pacientes por cerca de duas horas. O coordenador do hospital disse que o médico estava fazendo o plantão no lugar de uma colega que não foi trabalhar.

O Instituto Cisne, organização social responsável por cuidar da unidade, informou que o médico não faz parte de seu quadro de profissionais. Além disso, o fato dele ter ficado no lugar de outro médico no plantão não foi informado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Essa médica, que não teria informado a troca, foi afastada.

O coordenador da UPA, além de uma testemunha, foram até a delegacia presar queixa e abrir boletim de ocorrência contra o médico. No BO foi informado que o médico aparentava estar alterado, com fala pastosa, hálito alcoólico e olhos avermelhados. "Acionaremos o Ministério Público para que responsabilize o Instituto Cisne", disse o vereador, que afirmou que também acionaria a Secretaria de Saúde e o Poder Executivo por "não exercer a fiscalização legal para com esse serviço".

Inquérito para apurar morte de menino arrastado

Também na cidade de Mairinque, a Polícia Civil irá abrir inquérito para apurar a morte de um menino de três anos que foi arrastado por um cavalo por cerca de dois quilômetros, entre os bairros Arco-íris e Pantojo. A criança estava presa ao animal por uma corda.

Populares conseguiram conter o animal e socorreram o menino, que chegou ao Pronto Atendimento sem vida.

Ele foi enterrado no domingo (14), no cemitério de Mairinque. A ocorrência foi registrada como morte suspeita.

A polícia agora quer descobrir quem estava com o menino e quem o arramou no animal, que é de pequeno porte e tem o tamanho de um pônei. A família ainda está bastante abalada com o ocorrido e deverá prestar depoimento nos próximos dias.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo