Um homem de 37 anos foi preso em Salvador, na Bahia, na tarde desta segunda-feira (22), após denúncias de que estaria usando irregularmente um dinheiro que era para tratamento do filho, que possui uma doença rara. O suspeito é morador de Conselheiro Lafaiete, que fica a cerca de 100 quilômetros de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Matheus foi procurado após pessoas denunciarem ele à Polícia de Conselheiro Lafaiete, acusando-o de ter dado um golpe milionário e de estar usando os cerca de R$ 1 milhão arrecadados através de doações para seu filho para seu próprio proveito, sendo apontado como estelionatário. Ele foi preso na Bahia e encaminhado para Minas Gerais para que a investigação possa ter continuidade na cidade em que mora.

Entenda o caso

O homem é pai de um menino chamado João Miguel, que foi diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal (AME). Essa doença é rara e seu tratamento é feito à base de medicamentos muito caros. Conhecidos e parentes da criança moveram uma campanha para arrecadar dinheiro para comprar um medicamento --cada dose custa até R$ 370 mil. A criança precisava de seis doses para o tratamento, quase R$ 2 milhões.

Como o SUS (Sistema Único de Saúde) não oferece o medicamento, e a família não tinha condições de comprar, Matheus criou uma vaquinha online para arrecadar o dinheiro. A página "AME João Miguel" tem mais de 8 mil curtidas no Facebook e o pai da criança, que é o dono e administrador da mesma, descreveu que precisavam de ajuda, pois a doença é rara, além de ser genética e degenerativa.

Com a campanha feita na internet, a família conseguiu arrecadar cerca de R$ 1 milhão, mas ao invés de usar o dinheiro para tratar a criança, que realmente possui a doença rara, o homem teria viajado para Salvador e estaria usando o valor de forma indevida na capital baiana.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Toda a investigação policial começou a cerca de uma semana, quando receberam a denúncia de que o pai da criança teria viajado e fugido com o dinheiro que foi doado para o bebê. Até a Polícia Civil da cidade mineira, se engajou para arrecadar dinheiro para o tratamento da criança.

A corporação mineira organizou uma corrida corrida solidária onde todo o valor arrecadado com as inscrições seriam repassados para a criança.

Como a cidade toda estava comprometida em ajudar o menino, mais de 500 pessoas se inscreveram para a atividade e assim recolherem um valor para a compra dos remédios.

O caso continua sendo investigado pela polícia de Conselheiro Lafaiete e caso seja confirmado o uso indevido do dinheiro recebido através de doações na internet para proveito próprio o homem poderá ser condenado por estelionato.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo