Quase seis meses depois do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, ocorrido no dia 25 de janeiro, a última sobrevivente da tragédia que vitimou 248 pessoas e deixou outras 22 desaparecidas, que ainda estava internada recebeu alta hospitalar.

Talita Cristina Oliveira, de 16 anos, deixou o hospital, em Betim (MG), nesta quarta-feira (17). No período em que ficou hospitalizada, a adolescente precisou passar por quatro cirurgias no fêmur e no quadril e ainda precisa da ajuda de um andador para caminhar.

Ela está fazendo fisioterapia e deve receber uma prótese no fêmur dentro de dois anos.

Talita foi uma das sobreviventes a ser resgatada de helicóptero após se vista por dois rapazes que estavam à procura de parentes e as imagens dela sendo retirada dos rejeitos rodaram o mundo. Ela morava em uma casa perto da Pousada Instância, onde a família trabalhava e que foi devastada pelo mar de lama.

"É um barulho que não sai da minha cabeça.

Eu tampei o nariz e só rezei", disse Talita em entrevista quando ainda encontra-se internada. Ela havia chegado na cidade para morar os com familiares apenas quatro dias antes do rompimento da barragem. Ela também comparou a sensação de estar em meio ao mar de lama como se estivesse dentro de um liquidificador gigante, sendo esmagada por pedra, paus, carros e girando de um lado para outro.

No momento do rompimento, a adolescente estava em casa junto com a irmã Alessandra Souza, de 43 anos, e a sobrinha, Lays Gabriele de Souza Soares, de 14.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Alessandra também foi resgatada do mar de dejetos, ficou um tempo internada e depois teve alta. Já Lays acabou sendo uma das vítimas fatais da tragédia e seu corpo foi encontrado apenas um mês depois.

“É uma mistura de alívio e vazio’, disse José Antônio Soares, cunhado de Talita e pai de Lays. Ele estava em Belo Horizonte no momento que houve o rompimento da barragem e ao saber da tragédia correu até onde ficava a pousada para saber notícias da filha. A família agora deseja permanecer em Betim. “A gente não vai voltar mais pra Brumadinho”, disse José”.

Mochila de uma das vítimas é encontrada

No mesmo dia que Talita teve alta, as equipes de resgate que iram trabalham na busca por corpos de pessoas desaparecidas encontraram uma mochila com pertences e documentos de uma das vítimas já identificadas. Os objetos pertenciam à Rosária Dias da Cunha e todo o material foi lacrado e enviado para o Instituto Médico Legal, onde será feito o cruzamento de dados.

O trabalho de resgate pelos desaparecidos tem sido feito diariamente por 140 homens do Corpo de Bombeiros e cães farejadores. Máquinas pesadas, drones e helicópteros também estão sendo usados nas buscas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo