Lucas Stumpf, conhecido como Lucas Mineiro, é considerado pela Polícia a testemunha-chave acerca da morte do jogador Daniel Corrêa. Pela primeira vez após o crime, Lucas falou publicamente sobre o assassinato. O jovem participava da festa de aniversário de Allana Brittes, filha de Edison Briites, assassino confesso do jogador. A comemoração foi realizada em uma boate em Curitiba. Após a festa, Allana teria convidado alguns amigos para irem até sua casa continuar a comemoração, dentre os convidados estavam Daniel e Lucas.

EM depoimento, Lucas contou à polícia que teria visto o dono da casa, Edison Brittes, enforcando o jogador em cima da cama. Segundo a testemunha, Cristiana Brittes, esposa de Edison, teria pedido socorro. Mineiro também relatou as agressões e os pedidos de socorro do jogador.

Testemunha relatou o momento das agressões

De acordo com o portal G1, Lucas Stumpf revelou que teria visualizado Edison Brittes enforcando o jogador em cima da cama: "eu vi o Edison enforcando ele em cima da cama, batendo em cima da cama".

Em depoimento à polícia, Edison contou que teria tirado a vida do jogador após o atleta ter tentado violentar sua esposa, Cristiana Brittes. Porém, a Polícia Civil e o Ministério Público do Paraná (MP-PR), concluíram quem não houve tentativa de abuso. Esta foi a primeira vez que Lucas falou publicamente sobre o fato. A entrevista foi concedida à equipe da RPC, afiliada da TV Globo no Paraná.

A testemunha relatou, também, que Cristiana Brittes pedia por socorro, mas que nada pôde fazer no momento das agressões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Futebol

Segundo, Lucas, no momento do fatos, os pedidos de socorro eram para o jogador Daniel. Allana Brittes também teria pedido para que o pai parasse, segundo a testemunha. A jovem estaria muito assustada, sem saber direito o que estaria acontecendo. Segundo o portal R7, Stumpf contou que outros rapazes também entraram no quarto para agredir Daniel, que gritava e pedia por socorro: "não quero morrer". Lucas afirmou que Daniel teria deixado o quarto bastante ferido.

Acompanhamento médico

Lucas Stumpf revelou que após o ocorrido, teria sonhado várias vezes com o fato, chegando a acordar à noite assustado, pois, se sentiria vulnerável e inseguro. A testemunha contou, ainda, que toma medicamentos controlados diariamente para tratar a depressão e a síndrome do pânico. Acerca da entrevista concedida por Lucas, Cláudio Dalledone, advogado da família Brittes, afirmou que o mesmo não teria falado a verdade e estaria querendo "aparecer".

Por sua vez, o advogado do jovem, Jacob Filho, afirmou que as manobras utilizadas por Dalledone para intimidar seu cliente seriam em vão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo