Após pouco mais de dois meses do assassinato do pastor Anderson do Carmo, em sua própria casa, em Niterói (RJ), o jornal Extra afirma ter tido acesso a depoimentos do caso.

Segundo a publicação, Wagner Andrade Pimenta, mais conhecido como Misael, prestou depoimento no dia 18 de junho, dois dias depois da morte do pai, e disse aos investigadores que acredita que a mãe, a deputada Flordelis, foi a "mentora intelectual" do crime.

Misael e o irmão Daniel dos Santos de Souza foram os primeiros a prestar depoimento e a atribuírem a Flordelis participação no assassinato. Outros três filhos adotivos do casal –Luan Santos, Kelly Cristina dos Santos e Roberta Santos– teriam feitos declarações comprometedoras sobre o envolvimento da mãe na morte do marido.

Segundo Misael, a mãe manipulou os filhos até conseguir um com coragem para tirar a vida de Anderson.

Flávio, que é filho biológico da pastora, e Lucas, filho adotivo, estão presos por envolvimento no crime. Flávio teria disparado contra o padrasto e Lucas teria ajudado a comprar a arma usada no crime. A polícia não descartou a participação de outros familiares na execução da vítima.

Conforme depoimento de Misael, Flordelis acreditava que o marido estava dando a volta nela com relação a dinheiro. O rapaz contou que em outubro de 2018, Anderson esteve internado por 5 dias e perdeu quase 20 quilos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos

De acordo com ele, na época ninguém sabia o que estava acontecendo com o pastor, mas hoje sabem que o Anderson estava sendo dopado a mando da deputada. Mais três filhos do casal confirmaram aos investigadores que o pastor tomava medicamentos sem saber e que a ordem de colocar os remédios em seus alimentos era da esposa.

Misael contou também que a mensagem enviada a Lucas pela irmã Marzy Teixeira, pedindo que ele matasse o pastor, foi escrita por Flordelis.

A moça teria confirmado isso a esposa de Misael. A mensagem foi escrita no tablet do pastor, que chegou a vê-la depois.

Misael falou também que teve acesso ao celular do pai um dia depois do crime e que o aparelho estava com o motorista da deputada. Ele teria conseguido recuperar a mensagem em que encomendavam a morte do pastor e fotografou com seu aparelho, entregando a imagem à polícia. Depois disso, o motorista ficou de entregar o aparelho a Flordelis.

Outros depoimentos

Daniel, outro filho adotivo do casal, afirmou acreditar que a mãe esteja envolvida na morte de Anderson. Ele contou que ouviu a deputada falar que a hora do pastor ia chegar e não ia demorar. Ele disse que Anderson o mostrou a mensagem que pedia sua morte e o mesmo acredita que além dos dois irmãos presos, a mãe, duas irmãs e uma neta da pastora estariam envolvidas no crime.

Luan contou que Simone, filha biológica da pastora, disse a ela que a mãe tinha lhe pedido que arrumasse alguém para "apagar" Anderson.

Como ela sabia que Simone não faria isso, fez o mesmo pedido a Marzy. Luan disse que Simone era quem colocava os medicamentos na comida do pastor. Segundo ele, após a morte do pai, ouviu a deputada falar que tinha acabado.

Roberta disse que tem certeza que a mãe teria paz com a morte do marido e que acredita que as pessoas que Daniel citou estão envolvidas no crime. A moça diz que a forma como a mãe age para a imprensa não passa de teatro e que vê o alívio em seus olhos.

Kelly contou aos policiais que a mãe dizia que quando Anderson não estivesse mais lá as coisas iam melhorar. De acordo com ela, a deputada quis reunir todos os filhos com o advogado, antes dos depoimentos que aconteceram em 24 de junho. A mulher queria combinar o que cada um diria à polícia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo