A morte da menina Raíssa, de 9 anos, no último domingo (29), no parque Anhaguera, zona norte de São Paulo, tem gerado comoção no Brasil. O suspeito de ter tirado a vida da menina é um adolescente de 12 anos, que era amigo da menina.

Raíssa sumiu de uma festa que era realizada no CEU Anhanguera, por volta de meio-dia, e duas horas depois seu corpo foi encontrado amarrado em uma árvore no parque. O adolescente foi quem procurou a administração do local e disse que havia visto o corpo de uma menina amarrado a uma árvore.

Câmeras de segurança mostraram a menina se encaminhando para o local de mãos dadas com o adolescente.

A mãe da menina, Rosevânia Caparelli Rodrigues, disse que não consegue entender como uma criança tirou a vida de outra criança e que o menino era uma pessoa dócil. Ela contou que deixou a menina na fila do pula-pula e disse à mesma para não sair de perto dela e que ia apenas buscar pipoca para o seu irmão.

Raíssa teria dito que tudo bem e que ia ficar pulando no brinquedo com o adolescente, que estava ao seu lado.

Rosevânia disse que assim que notou o sumiço da filha procurou em todo a escola, chamou as meninas que trabalhavam no local, avisou aos policiais e que todos saíram procurando a menina. Segundo ela, por volta das 17h55 a mãe do adolescente contou que seu filho tinha encontrado uma menina na árvore com um macacão rosa, roupa que Raíssa usava.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Amizade entre Raíssa e o adolescente

O adolescente suspeito de ter matado Raíssa morava na mesma rua que a menina. Segundo vizinhos, os dois brincavam muito na rua em que moravam e também na escola em que estudavam, local de onde ela sumiu.

O menino se aproximou da menina e ganhou sua confiança, pois a mesma era muito tímida e rígida e não costumava ir com ninguém, nem mesmo com a tia e seu marido, mas saiu do local da festa com ele.

Ela contou que o menino já foi para a igreja com elas e que ela não conhecia os pais do mesmo, apenas ele e suas irmãs. Rosevânia disse que o menino a chamava de tia e que o mesmo falava de Deus e dizia que lia a Bíblia.

O adolescente teria confessado o assassinato da menina, mas já deu algumas versões sobre o crime. A princípio ele teria chegado em casa e confessado o crime para a mãe, depois disse que um homem de bicicleta foi quem teria matado a menina no parque.

O menor de idade foi encaminhado para a Fundação casa na noite de terça-feira (1°). A Polícia continua as investigações e ainda não descartou a participação de outra pessoa no crime.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo